31 comentários em “[2018/19] Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”

  1. Experiências a registar acerca da unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa
    A construção do Diário de Campo foi algo de grande importância que me favoreceu e contribuiu para a minha instrução na unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, este contribui também, de forma a ajudar-me a fazer uma reflexão de experiências e a organizar todas as aprendizagens adquiridas ao longo do semestre na unidade curricular em causa.
    Sendo o curso de Sociologia bastante teórico, cadeiras como a de Laboratório de Análise Qualitativa dão-nos uma perspetiva e conhecimento bastante importante na ligação da teoria com a prática. É fundamental adquirir determinadas competências, competências essas que foram transmitidas de forma bastante compreensível e clara pela docente, contudo foi necessário um enorme esforço e dedicação a todos os exercícios propostos ao longo do percurso desta unidade curricular. Ao longo destes meses foram feitos vários exercícios no âmbito de um trabalho de grupo, o qual estava dividido em 3 fases. Este teve como objetivo principal a resposta à questão central: quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários? Então, foram realizados um inquérito por entrevista, uma observação direta e um relatório final com a devida apresentação.
    Na primeira fase do trabalho de grupo, foi-nos pedido a realização de um inquérito (Exercício #1), em que realizámos uma entrevista semi-diretiva (individual) a um aluno da Universidade de Évora acerca não só do seu bem-estar como da perceção que o sujeito tem acerca do mesmo, sendo que nos foi fornecido um guião pela docente de forma a melhor preparar esta atividade. Para além de questões relacionadas com o perfil sociodemográfico do entrevistado e com o bem-estar em geral, foram também propostas questões sobre outras categorias do mesmo, como é o caso do bem-estar físico, o bem-estar económico, o bem-estar emocional/psicológico e por fim o bem-estar social. Após este exercício, fizemos a transcrição da entrevista com recurso ao programa Express Scribe Transcription Software, o que nos proporcionou adquirir competências técnicas de análise de dados. Após a transcrição da entrevista, eu e as minhas colegas de grupo realizámos um relatório acerca dos exercícios já feitos nesta primeira fase, composto por tópicos como a metodologia e a análise de dados e interpretação de resultados. Apesar da ótima experiência, nem tudo foi fácil e devido a alguns sobressaltos fomos “obrigados” a refazer e melhorar alguns aspetos da nossa entrevista.
    Na segunda fase do trabalho, o nosso grupo (grupo 8) realizou uma etnografia/observação direta (Exercício #2) que consistiu na observação de uma prática de bem-estar. Como recurso, utilizámos um guião fornecido pela docente que foi adaptado às circunstancias, um telemóvel de forma a registar momentos em formato digital e um bloco de notas para apontamentos relevantes. Tivemos a sorte de um aluno da nossa instituição académica se ter oferecido para a participação deste exercício, após ter tido conhecimento através de um amigo em comum com um dos membros do grupo. Foi observada uma atividade de bem-estar mental, que passou pela prática de um instrumento musical, intitulado de Baixo. Este exercício foi realizado na casa do observado, tendo em conta a necessidade de material específico e próprio do mesmo, o instrumento e equipamentos como o amplificador e outros cabos. Por conseguinte, foi feito o respetivo relatório da atividade em que mais uma vez abordámos tópicos como a metodologia e a análise de dados e interpretação de resultados. Sendo este o segundo relatório realizado, notou-se uma facilidade acrescida comparativamente com o primeiro. Foi de facto uma das experiências mais interessantes de realizar, senão a que me deu mais prazer pois permitiu-nos fazer um apanhado geral de tudo o que aconteceu naquele espaço de tempo, desde a atividade central à observação do espaço, ou ainda a observação específica do observado.
    Na terceira fase do trabalho de grupo, foi realizada uma análise de conteúdo inter-casos (Exercício #3) que consistiu na comparação de perspetivas de bem-estar entre três entrevistados. Para tal, utilizámos a nossa entrevista e duas outras entrevistas realizadas pelos nossos colegas de turma e, ainda, recorremos ao recurso de um software NVIVO 12 de forma a facilitar todo o processo e o qual nos deu competências técnicas bastante importantes. Não foi fácil utilizar este programa devido à complexidade do mesmo, mas a exigência deste acabou por compensar. Depois de concluída a análise das entrevistas através do programa, realizámos um relatório final em que abordámos toda a recolha de dados, análise de dados e objetivos e conclusões dos três exercícios. O relatório exigiu bastante trabalho árduo e empenho pois resumiu todo o trabalho feito nesta unidade curricular.
    De forma a finalizar o trabalho de grupo, foi realizado por mim e pelas minhas colegas uma apresentação acerca de todo o conteúdo do trabalho em que incluímos não só as metodologias da realização dos exercícios como os resultados dos mesmos. Foram apresentadas todas as apresentações e vídeos dos respetivos grupos no dia 12 de junho de 2019, em que ainda tivemos oportunidade de receber comentários muito enriquecedores e construtivos acerca de cada trabalho.
    Chegando assim ao final do semestre e da unidade curricular, posso concluir que esta cadeira foi, para mim, das mais importantes no curso de Sociologia, até ao momento e que me mostrou a importância da análise qualitativa no mundo da investigação, sendo que será mais fácil agora conciliar, se necessário, a utilização dos métodos quantitativos com os métodos qualitativos. Esta cadeira permitiu ainda ter uma noção de trabalho de campo muito enriquecedora e que de certo contribuirá para o meu percurso académico e profissional, tal como o trabalho de investigação em grupo.

  2. DIÁRIO DE CAMPO

    Experiências e Perspetivas – Quarto Semestre, Unidade Curricular: Laboratório de Análise Qualitativa

    Neste comentário vou descrever de breve forma o meu trajeto académico, nomeadamente enquanto estudante da Unidade Curricular Laboratório de Análise Qualitativa, cadeira obrigatória do curso de Sociologia. O meu percurso académico tem sido bastante oscilante pois para minha surpresa, o curso de Sociologia tem-se revelado mais desafiante do que inicialmente pensara. Não só este consiste na aquisição de conhecimento teórico mas, também, na aquisição de conhecimento prático. Estes que se transcrevem em ferramentas, cujas quais tenho garantidamente a certeza que me ajudarão no futuro, no âmbito profissional e não só. Tenho ganho também uma perceção distinta àquela que outrora tinha sobre os vários temas e elementos que constituem as estruturas da nossa sociedade.
    Relativamente à Unidade Curricular Laboratório de Análise Qualitativa, confirmo que esta se tem demonstrado imensamente útil no que diz respeito à aprendizagem de técnicas de investigação qualitativa, sendo estas: recolha de dados, estudos e análises de diferentes casos, interpretação de material prático, etc. Toda esta informação que se tem revelado de extrema importância para todo o processo, cujo o qual, com este diário de campo, pretende responder à questão de partida proposta nas aulas pela docente Rosalina Costa – “Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”.

    Experiências
    O primeiro exercício proposto teve como objetivo a realização de uma entrevista semi-diretiva, sobre a saúde e o bem-estar dos estudantes universitários, para o qual o meu grupo de trabalho elaborou uma entrevista presencial, tendo selecionado para a mesma (em conformidade com os critérios de inclusão na amostra) uma estudande de mestrado de Psicologia da Educação, da Universidade de Évora. Toda a metodologia para a mesma tornou o procedimento bastante envolvente pois, por se tratar de uma interação pessoal e direta, permitiu que a observação da entrevistada poupasse tempo e recursos. Verificou-se que a seleção do sujeito para entrevista foi de bastante sucesso visto que as suas respostas foram pertinentes e completas, devido à sua situação académica, visto que foi ao encontro aos objetivos e àquilo que foi solicitado.
    Depois de efetuada e conferida a entrevista, procedemos à submissão do aúdio da mesma na plataforma virtual da Universidade, aúdio este que continha informação referente às perspetivas e noções da entrevistada sobre os vários aspetos do bem-estar – físico, económico, psicológico/mental/emocional e social. Posteriormente, avançámos para a submissão da transcrição (verbatim) da mesma, tendo sido este último um processo bastante demoroso, realizado através do software sugerido pela docente – Express Scribe T. Foi requerida a elaboração de um relatório sobre toda a experiência, não tendo sido este realizado pelo grupo devido a problemas pessoais ocorrentes na altura.
    De seguida, foi proposto ao grupo o segundo exercício, consistindo este na observação direta de uma atividade promotora do bem-estar praticada pelo indivíduo selecionado. Devido ao tema em questão o grupo optou por selecionar uma pessoa conhecida a um dos integrantes do mesmo, sobre a qual já era notória a atividade praticada (cozinhar/preparação de refeição) em prol do desenvolvimento do seu bem-estar. Após ter sido posta a hipótese de ser esse o possível observado, estabaleceu-se o contacto necessário com a finalidade de solicitar a sua colaboração para o exercício. Demonstrado o interesse por parte do mesmo, foram ajustados os detalhes e reunidas as condições para que a observação se realizasse. No decorrer da mesma foram registadas notas, tiradas fotografias e gravado um pequeno aúdio, explicativo das razões por esta atividade ser tão importante e substancial na construção do bem-estar do indivíduo. Adiante, achei algo de intrigante o facto do sujeito observado recorrer a esta prática para aliviar o stress acumulado ao longo do dia, não só por isso mas também devido ao mesmo ter aprendido a cozinhar com os seus progenitores, devido ao seu tempo de qualidade partilhado com os mesmo, sendo isto algo com que me identifico bastante.
    Seguidamente, foi realizado e submetido um relatório sobre esta observação, em conformidade com as orientações providenciadas pela docente, referindo os objetivos gerais e específicos, a metodologia e procedimentos de nálise de dados utilizada e interpretação de resultados. Todo o procedimento foi bastante enriquecedor, apesar de complexo, pois mesmo com toda a dificuldade e tarefas pedidas, foi adquirido no decurso do mesmo imenso conhecimento e técnicas importantes na relização de trabalhos deste tipo.

    Perspetivas
    As orientações e ferramentos providenciadas pela docente são de incrível relevância e valor relativamente à aquisição de conhecimento. Mas são os alunos que têm de querer e alcançar sempre mais, em prol, não só do seu sucesso académico, mas também em prol do seu desenvolvimento enquanto estudante e indivíduo. Utilizando como recurso vários métodos de estudo e ainda trocas de ideias e debates com os colegas, a abordagem e perceção de vários temas é perpetuamente conseguida. Ao longo do semestre, foram obtidos novos saberes sobre todo o processo de investigação, através da seleção e retenção de informação, definição de objetivos e cumprimento de prazos, tendo sido feita uma boa gestão do tempo e recursos, sendo o trabalho de investigação dependente da colaboração entre colegas e professores.
    O processo de investigação qualitativa é um processo complexo e extenso, que se estende desdo o planeamento da investigação à elaboração do relatório da pesquisa efectuada, passando pela recolha preliminar de informação, pela pesquisa documental, pelas técnicas de observação e de amostragem, pelos inquéritos por entrevista e/ou por questionário, pela análise da fiabilidade e validade dos dados, pela análise de conteúdo dos dados e pela interpretação dos resultados, sendo que todos estes passos devem ser conduzidos pela ética e o rigor. Através de toda a aprendizagem retida ao longo do semestre, certamente há maior autonomia e facilidade no que diz respeito ao trabalho prático solicitado, algo de que poderei usufruir certamente para o meu futuro não só académico no curso de Sociologia, como profissional.
    Évora, 13 de Junho de 2019

  3. Análise Qualitativa – “Aprender a Fazer”

    Enquadrado no programa da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, do 4º semestre do Curso de Sociologia, ano letivo 2018/2019, considero que foi para mim, bastante gratificante a participação e realização dos exercícios propostos recorrendo às diferentes ferramentas e técnicas que me conferiram maior conhecimento na recolha, análise e tratamento de dados qualitativos.
    Enquanto trabalhador estudante, e sendo esta uma unidade curricular com uma componente prática muito efetiva, confesso que não foi fácil em muitas das situações articular disponibilidades entre os vários elementos do grupo.
    Em primeira instância foi difícil, em algumas das situações, identificar numa primeira análise e de forma mais direta o que estava a ser solicitado em alguma das questões constante nos exercícios. Talvez, em parte, justificado pela minha ausência em muitas das aulas, por motivos profissionais. Mantendo o foco e apesar de não estar presente procurei acompanhar a matéria lecionada recorrendo à informação disponibilizada na plataforma moodle. Graças também à disponibilidade de algumas colegas que contribuíram com alguns esclarecimentos que me ajudaram e muito a dissipar algumas dúvidas. Agradeço de igual modo à docente que se mostrou sempre disponível para qualquer esclarecimento e à qual também recorri algumas vezes.
    O tema do trabalho incidia sobre a “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”. E consistia na realização e três exercícios que e encadeavam e complementavam.
    O exercício um consistia essencialmente em recolher dados, informação pertinente e de acordo com o tema proposto e para isso teríamos que encontrar um(a) estudante universitário que se disponibilizasse para nos conceder uma entrevista. Após alguma diligencias contactei uma colega da universidade, que aceito o convite, ela que frequenta um curso de licenciatura na Escola de Ciências Sociais da nossa Universidade de Évora. Sempre disponível Célia (pseudónimo) prontificou-se a dar-nos a entrevista.
    No início da entrevista estávamos ambos um pouco expectantes quanto ao desenrolar da mesma, mas depressa nos reconfortámos já que a entrevistada era bastante comunicativa e disponível na resposta às minhas questões. Reconheço que correu muito bem e foi muito gratificante entrevistar a Célia. Foi minha intenção deixar a entrevistada à vontade, procurando não condicionar as respostas ou restringindo a informação por ela fornecida. Talvez por isso, munidos desta imensa e pertinente informação possibilitar-nos-ia trabalhar outras temáticas que nos propuséssemos estudar. Após a entrevista, efetuei uma análise pessoal da mesma e caso necessitasse de realizar nova entrevista iria procurar retificar alguns aspetos que entendo que poderiam ser melhorados. É este sentido de auto critica que nos faz crescer e aprender procurando melhorar em cada situação, a cada momento, contribuindo assim para realização de um trabalho digno.
    A entrevista semi-diretiva permitiria colocar questões mais abertas, proporcionando um ambiente mais descontraído e informal. “As boas entrevistas caracterizam-se pelo facto de os sujeitos estarem à vontade e falarem livremente sobre os seus pontos de vista.” (Biggs, 1986).
    Para isso, foi então construído um guião que norteou a nossa entrevista garantindo de forma mais eficaz que não nos esqueceríamos de perguntar o que é para nós tido como essencial para o nosso estudo, permitindo de igual modo um encadeamento lógico das nossas questões.
    Do ponto de vista ético é nossa obrigação primar pelo dever de sigilo e integridade da pessoa humana, neste caso da nossa entrevistada. A entrevista como seria gravada a entrevistada teve de ter conhecimento e autorizar essa mesma gravação, sob pena de colocar em causa todo o trabalho que viéssemos a desenvolver.
    Importa referir que a entrevista decorreu na sala 107 do CES (Colégio Espírito Santo – Universidade de Évora).
    A transcrição da entrevista foi um trabalho árduo que exigiu uma atenção e dedicação pois as exigências na transcrição deste tipo de entrevista para quem não está habituado são imensas. No final, o sentimento de missão cumprida faz-nos esquecer das dificuldades inerentes a este tipo de trabalho.
    No segundo exercício, a fonte principal foi a Observação direta, através da qual o investigador teria de identificar a prática de uma atividade promotora de bem-estar por parte da entrevistada, definindo os objetivos específicos e para isso foi elaborado um plano de observação. A recolha de dados assumiria especial relevância pois teríamos que estar bastante atento a toda a envolvência onde estava a decorrer a atividade promotora de bem-estar, e isso obrigaria a um registo através de fotografia vídeo, áudio. No final seriam analisados os dados e apresentados os resultados.
    Quanto terceiro exercício serviria para dar continuidade ao trabalho desenvolvido nos exercícios um e dois e teria como objetivo principal apresentar um resultado cientificamente fundamentado quanto á questão de partida: Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas bem-estar entre os estudantes universitários? A partir de uma das dimensões de bem-estar à nossa escolha e seriam elas o bem-estar físico, bem-estar social, bem-estar económico e bem-estar psicológico. O meu grupo a dimensão escolhida foi o bem-estar físico e de modo a consubstanciar os resultados fora igualmente analisadas duas outras entrevistas analisando essa mesma dimensão de bem-estar de modo a aprofundar eventuais padrões, divergências, entendimentos e tentar interpretar a realidade social entre os estudantes universitários.
    Os dados analisados das três entrevistas selecionadas foram os dados foram registados no software de análise de dados qualitativos Nvivo12 e que através do qual foi elaborado um relatório que traduziria de forma sistemática todo o trabalho de investigação desenvolvido.
    Esta UC facultou-me ferramentas e conhecimentos que me irão acompanhar ao longo do meu percurso académico e quiçá profissional, assumindo deste modo um papel primordial na minha aprendizagem permitindo-me aumentar o meu conhecimento na área em questão. Neste trabalho de investigação foi-me permitido treinar a observação e análise de conteúdos, ao mesmo tempo que evitei introduzir juízos de valor na análise dos dados recolhidos.
    Em suma, realço o espírito de cooperação entre os elementos que compõem o grupo, procurando a todo o instante articular disponibilidade e todo o trabalho a desenvolver. É verdade que surgiram alguns contratempos e dificuldades, mas de uma forma geral foram ultrapassadas e graças ao espírito de resiliência conseguimos ultrapassar os obstáculos que nos surgiram.

    Grato pela experiência.

    Évora 13 de junho de 2019

  4. No âmbito da U.C de Laboratório de Análise Qualitativa, tive como objetivo elaborar um trabalho de caráter pratico, que digo desde já ajudou-me imenso a perceber melhor a realização deste tipo de trabalhos, além disso gostei imenso de perguntar e saber a opinião de outras pessoas neste assunto, o que como pessoa me fez crescer, principalmente a nível de conhecimento.
    Na primeira fase de realização de exercícios,nomeadamente a realização da entrevista, foi uma experiência que achei bastante interessante, quando comecei confesso que estava um pouco nervoso mas à medida que a entrevista se foi desenrolando o meu nervosismo acalmou e achei que foi uma experiencia até bastante agradável. A pessoa que escolhi entrevistar/observar era uma pessoa que tinha um bom conhecimento sobre este assunto e sabia como abordar as perguntas que lhe eram feitas com bastante facilidade, e “sabia do que estava a falar”.
    Na segunda fase o trabalho tornou-se ainda mais prático e tive de ir fazer uma atividade desportiva, neste caso caminhar, com a pessoa que escolhi observar, fiquei a perceber bastante mais sobre a sua rotina e a sua maneira de se manter em forma, além de ter tido outras informações e dicas também sobre desporto.
    Para finalizar acho que esta foi uma experiência que foi bastante boa e ajudou bastante para compreender os trabalhos e a forma da sua realização para referencias futuras.

    13/06/2019

  5. Um passeio em torno do bem-estar
    A UC Laboratório Análise Qualitativa trouxe uma novidade ao meu percurso académico. Até à data nunca tinha pensado em como se poderia analisar, concretamente, documentos textuais. Na faculdade ainda só tinha tratado dados quantitativos, nos semestres anteriores. Encarei a disciplina com curiosidade pois a minha aptidão para as línguas é superior à aptidão numérica.
    O estudo qualitativo é mais recente do que o quantitativo, visto que até aos anos setenta do século passado, a vasta maioria dos estudos eram de natureza quantitativa. A investigação qualitativa remonta para o contacto com a realidade, aliada à perceção dos sujeitos. O facto de esta exigir a existência de um acontecimento casual na realidade, faz este tipo de investigação diferir da investigação quantitativa, que por sua vez, exige um controlo e manipulação dos comportamentos e lugares.
    Durante o semestre elaborámos uma investigação qualitativa em torno do conceito “bem-estar”, tema estipulado nas sessões letivas de acordo com a docente e os alunos. Inicialmente, no exercício 1, foi-nos pedido que realizássemos uma entrevista a um estudante do ensino superior, que, posteriormente, seria alvo de análise. Essa foi uma entrevista semiestruturada fornecida pela docente encarregue da UC. Embora tenha sido fornecida pela docente, foi um assunto que também foi tratado em aula, de modo a percebermos que existem vários tipos de entrevistas adequados a várias tipos de situações e que o desenrolar da entrevista, tanto na postura do entrevistador como na do entrevistado, vão influenciar os resultados obtidos No exercício 2, calhou a um dos elementos do grupo (no meu caso, foi o meu colega) realizar uma observação direta para perceber que tipos de ações o sujeito realizava em prol do seu bem-estar. O meu entrevistado ficou com pseudónimo Edu e considero que foi uma peça fundamental pois foi uma pessoa prestável, que consideramos ter um saber que permitiu ter algumas boas respostas na entrevista. No exercício 3, a docente solicitou-nos que selecionássemos duas entrevistas referentes a outros grupos da turma, com vista à comparação dessas com a entrevista realizada por nós. Para este efeito, recorremos ao NvivoPro 12, um software de análise qualitativa, recomendado pela docente, que consideramos ter facilitado o trabalho pois permitiu estruturar a análise das três entrevistas. Em todos os exercícios recorremos à anonimização dos sujeitos e da informação tratada tanto na entrevista realizada por nós, como nas entrevistas selecionadas para comparação. Para isto, assinámos uma declaração ética de responsabilidade científica de forma a comprovar a autoria deste trabalho.
    A realização da entrevista deu-se em casa do entrevistado, que até há data nos era desconhecido. Edu é residente na zona de Santarém e frequenta o instituto politécnico de Santarém. Focámos a entrevista de modo a obter dados sobre o bem-estar e, respetivas, ramificações. Na discussão do bem-estar incluímos as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar de Edu. Defino Edu como uma pessoa estável, uma vez que o próprio referiu ter tido uma infância e uma adolescência equilibrada, embora nesse período se tenha dado a separação dos pais. O facto de termos realizado a entrevista na casa do entrevistado penso ter sido favorável pois colocou Edu numa posição aberta, que permitiu uma exposição mais sincera do que poderia ter tido, caso a entrevista tivesse sido realizada, por exemplo, num espaço público.
    Relativamente à observação direta não tenho uma opinião realmente fundamentada, já que foi o meu colega de grupo que a executou. Pela informação transmitida por ele, consigo afirmar que o nosso entrevistado é um indivíduo que se preocupa com o seu bem-estar social, uma vez que ao fim de semana procura estabelecer relações com os amigos mais próximos. Estabelece relações comuns aos estudantes universitários que passam pela diversão, geralmente, noturna. Esta observação permitiu perceber que este estabelece rotinas diferentes caso seja dia laboral ou de fim de semana, pois tem em vista alcançar diferentes tipos de bem-estar em diferentes tipos de tempo. Edu considera o fim de semana com um escape ao quotidiano, que lhe permite aliviar da pressão do mesmo. Eu assemelho-me a esta posição, já que considero ter, durante a semana, práticas que têm em vista o bem-estar académico, enquanto que ao fim de semana promovo o bem-estar social, já que me faz abster do stress semanal. Com isto, posso afirmar que a prática de atividades com vista ao bem-estar social, vão também contribuir para o bem-estar psicológico/mental.
    Face ao exercício 3, é aqui que considero a chave da investigação, pois se até agora tínhamos a nossa entrevista “só”, passamos a ter um conjunto de três entrevistas que vão ser analisadas e comparadas. Embora considere a chave da investigação, não descarto a importância dos exercícios anteriores, pois foram estes que permitiram ter uma base de dados sólida, para, posteriormente, conseguir apresentar boas conclusões. Como já foi referido, recorremos ao software NVivo12Pro, tendo em vista a organização da vasta informação qualitativa. Neste criaram-se vários nós gerais com os nomes de: perceções, fontes, práticas e representações. Uma vez que nos foi pedido apenas para analisar um tipo de bem-estar, no nosso caso escolhemos o bem-estar económico, pois era o que apresentava mais consistência nas suas respostas. Posto isto, para cada nó geral, adicionámos o nó do bem-estar económico e, posteriormente, nós relativos a cada entrevista. As entrevistas selecionadas foram de encontro às ideias expostas na entrevista de Edu. Edu afirmou que o bem-estar económico estava associado a ter liberdade financeira, enquanto que nas outras entrevistas aponta-se para equilíbrio financeiro e uma vida desafogada. Esta foi uma das várias conclusões retiradas do exercício três e que foram expostas na apresentação oral da investigação.
    Em suma, este foi um processo moroso. Embora não apresente dificuldades significativas na sua compreensão, representa um longo período de tempo, em que se tem de estar em constante atualização, para acompanhar passo a passo a investigação e conseguir tirar o maior proveito da mesma. Pela primeira vez, senti a sensação de sermos investigadores qualitativos, já que nos foi dada indicações de como tratar dados qualitativos. A utilização de métodos específicos como a entrevista e a observação, penso que nos vai ser útil no futuro, pois foi experiência adquirida em trabalho de campo.

  6. Análise Qualitativa – Um processo complexo, rico e rigoroso

    No procedimento das componentes de avaliação da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa surge esta possibilidade de realizar um comentário acerca das metodologias apreendidas no decorrer das aulas do segundo semestre do ano letivo 2018/2019.
    Através da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa adquiri as competências necessárias para a realização de uma investigação qualitativa, isto dado a apreensão das metodologias teóricas, simultaneamente postas em prática graças à realização dos exercícios necessários para a avaliação.
    Num primeiro momento foi escolhida a temática no contexto das aulas práticas, para assim serem construídos objetivos a concretizar no percurso de toda a investigação e a questão de partida da mesma – ficou estipulada a temática: “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro” assim como a questão de partida: “Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”. De igual forma foi construído o guião de entrevista; este material é o apoio principal do primeiro exercício e deve ser organizado da melhor forma para ir ao encontro da informação responsiva aos objetivos extipulados.

    Juntamente com os meus colegas, membros do grupo de trabalho, avançámos para o primeiro exercício que se alicerça na realização de uma entrevista, na sua transcrição e análise dos dados; este primeiro passo exige bastante rigor devido à atenção necessária para cada pormenor no decorrer da entrevista e disponibilidade de muito tempo para a sua transcrição, no entanto, de uma forma pessoal, a maior dificuldade surgiu na realização do relatório, apenas por ser o primeiro impacto da “extração” da informação e transpor para a sua estrutura “lógica”; é necessário todo um enquadramento e atenção aos detalhes para que seja uma organização compactada na estrutura pretendida para o primeiro relatório; é essencial “desfazer” os significados para alcançar a informação menos explicita que surge nesta fonte de informação. A parte mais gratificante foi, sem dúvida, entender o modo como a jovem estudante entrevistada expressa como o seu conceito de bem-estar é bastante influenciado pelas vivências e aprendizagens que tem no curso que frequenta na Universidade (Reabilitação Psicomotora).
    Na segunda fase do trabalho de investigação, surgiram novos desafios. A função a desempenhar pelo grupo passou a ser a observação direta enquanto a mesma estudante desempenhava a tarefa que para si representa bem-estar, sendo, neste caso, cozinhar uma refeição; para este momento tivemos que recorrer a auxiliares tecnológicos para registarmos a realização desta atividade, com isto, utilizámos um telemóvel para tirar as fotografias e uma câmara de filmar; juntamente com breves notas, foram estes os recursos usados na extração de informação, para este exercício. Apesar de esta tarefa não ter sido mais fácil, longe disso, realço um maior “à vontade” na construção do relatório deste exercício, relativamente ao anterior; foi muito interessante e gratificante ter estado a praticar este exercício com a entrevistada – sempre se mostrou disponível e genuinamente interessada ao longo de todo o processo.
    Por fim, no terceiro exercício são comparadas três de entre todas as entrevistas para que seja possível ter uma perceção de outros estudantes para além da jovem entrevistada pelo nosso grupo; a análise inter-casos é realizada com o apoio do software recomendado pela docente (sendo este o NVivo 12) e, através das diferentes funcionalidades deste programa, agregámos as realidades díspares nos mesmos pontos principais e assim concluímos que as precessões dos estudantes são bastante variadas – cada estudante tem as suas vivências que o transformam e, por conseguinte, vão definindo o conceito de bem-estar.
    No final de toda a investigação, concluímos com sucesso os objetivos pretendidos e uma resposta à pergunta de partida.

    De facto, todos os temas abordados têm a sua pertinência e relevância – não é fácil destacar apenas um, dado que todos assumem a sua função na construção da análise qualitativa – ainda assim, enfatizo de entre todos, as questões éticas. Este fator é muito importante aquando da recolha de informação para uma análise qualitativa – posto isso, foi seguido o Código Deontológico produzido pela Associação Portuguesa de Sociologia (APS) que passo a citar: “É dever dos sociólogos procurar evitar que da recolha, utilização e divulgação de informação decorram prejuízos para quem a presta ou para aqueles acerca de quem a informação é prestada. Devem, nomeadamente, salvaguardar o direito das pessoas à privacidade de informações e resultados, em todas as situações em que ela tenha sido acordada. / Os sociólogos têm estrita obrigação de velar pela proteção dos arquivos de informações ou bases de dados sujeitos a confidencialidade ou anonimato. Só em caso de absoluta necessidade devidamente justificada poderão esses arquivos ou bases de dados ser transferidos para outros profissionais de sociologia, desde que vinculados a este código deontológico.” (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992, p. 2)
    Apesar de ainda não termos conseguido alcançar o “estatuto” de sociólogos, almejamos esse objetivo e para tal, o nosso percurso já deve ser encaminhado de modo a sermos capazes de contruir uma pesquisa empírica sem qualquer enviesamento; através do seguimento deste Código, mostramos credibilidade ao nosso trabalho e ao mesmo tempo, respeito para com aqueles que se disponibilizam a fazer parte dos nossos estudos, sempre preservando as suas informações confidenciais e o direito ao anonimato.

    Concluindo, relato a experiência ao longo deste semestre de um modo mais pessoal. De facto, inicialmente foi um pouco difícil assimilar a complexidade de uma análise qualitativa visto que depende de cada caso, todas as pessoas são distintas e as suas particularidades tornam, de igual modo, a investigação diferente de toda as outras – nenhuma investigação qualitativa é igual. Posto isto, acho extremamente importante termos tido contacto com a praticabilidade na análise qualitativa; a realização de uma entrevista é algo de tamanha responsabilidade pois, apesar de pouco experientes, as pessoas partilham connosco as suas informações pessoais, confiando apenas na nossa palavra enquanto estudantes. Na observação direta, independentemente dos constrangimentos, partilharam connosco as suas motivações e permitiram que acompanhássemos as suas atividades de bem-estar. Na verdade, o processo não foi perfeito, enquanto estudante sinto que tenho muito mais para aprender, mas acredito que no meu futuro profissional será interessante recordar e reconhecer as pequenas lacunas que outrora tive mas que, certamente, serão limadas e aperfeiçoadas com a pratica e adição de conhecimentos à pequena bagagem que levo desta gratificante experiência.

    Bibliografia
    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). Código Deontológico. Lisboa: APS.

  7. Diário de Campo: Análise dos Procedimentos Metodológicos – Transcrição Verbatim
    Este trabalho foi desenvolvido no âmbito da unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, do curso de Sociologia, lecionada pela professora doutora Rosalina Pisco Costa e consistia originalmente na entrevista sobre o bem-estar a um aluno da Universidade de Évora com (obviamente) algumas restrições. As seguintes restrições deveriam ser aplicadas: o entrevistado não podia estar ou ter estado inscrito no curso de Sociologia e não podia partilhar residência nem pertencer à rede familiar ou amical de qualquer um dos elementos do grupo de trabalho. Tendo isto em mente foi selecionada de forma intencional uma estudante de terceiro ano do curso de Reabilitação psicomotora (conhecida de um dos membros do grupo) à qual ocultámos a identidade e portanto atribuímos o pseudónimo de Maria. Maria fez menção a elementos de bem-estar o ginásio e o curso como grandes influências mas apontou como principal indutor de bem-estar a sua alimentação na qual o nosso trabalho se focou mais. Realizámos a entrevista numa sala do polo universitário colégio Luís António Verney (CLAVE) pois era um local que convinha à entrevistada devido a outros assuntos académicos. Seguidamente foi necessário a transcrição da entrevista, a qual foi feita com recurso a um software próprio de análise qualitativa denominado Express Scribe Transcription Software. Este software apresentava claras vantagens pois oferecia-nos a possibilidade de pausar, retroceder, avançar e ainda de diminuir ou aumentar a velocidade da gravação (tudo com acesso a hotkeys personalizáveis) o que se provou muito útil. Como ultimo passo excertos da entrevista seriam analisados e contextualizados dentro do bem-estar num relatório que foi entregue à docente.
    Como segunda atividade foi-nos pedido que desta vez observássemos a atividade em causa, de preferência a/o entrevistada/o a exercê-la caso esta/e não oferecesse resistência, no entanto esta etapa poderia ser completada com um outro indivíduo caso não houvesse essa facilidade por parte da/o selecionada/o. E assim foi feito, no nosso caso a Maria não apresentou qualquer problema ou resistência e decidiu acompanhar-nos também nesta segunda fase. Deslocámo-nos à sua residência onde esta iria cozinhar o seu almoço enquanto nós recolhíamos as imagens, vídeo e notas necessárias para obtermos o conteúdo desejado. Este conteúdo serviria de complemento à entrevista previamente feita. Ambas as partes da informação seriam desta vez agregadas com recurso a outro software de análise qualitativa NVivo no qual aprofundaríamos ainda mais a nossa análise.
    No seguinte exercício teríamos de escolher duas das restantes nove entrevistas feitas pelos nossos colegas de turma das quais nós escolhemos as que julgámos mais adequadas tomando por critério a clareza, organização e a relação com o bem-estar físico visto que o nosso trabalho também se debruçava mais sobre essa temática. Após a escolha das entrevistas deveríamos realizar uma análise inter-casos (manualmente) e intra-casos (novamente com recurso ao NNivo).
    Ultimamente realizámos um vídeo informativo sobre todo o trabalho previamente realizado com o intuito de o apresentar dia 12 de Junho tanto aos comentadores (composto por três membros do curso de Sociologia, um doutorando, uma aluna de primeiro ano de mestrado e uma outra aluna no terceiro ano de licenciatura) como a qualquer pessoa que se quisesse juntar na plateia para uma discussão pós apresentação.
    Por opinião pessoal trabalho assistido por software é o que mais prefiro logo de todo este processo oque mais me encantou foi definitivamente a transcrição da entrevista que apesar de ser relativamente fácil de fazer é sem sombra de duvidas demorado no entanto seria injusto não mencionar que este trabalho está muito mais facilitado devido aos avançados tecnológicos. Como mencionado a transcrição foi feita com auxilio do software “Express Scribe Transcription Software” no entanto anteriormente a estes avançados todo o processo seria muito mais complicado e levaria ainda mais tempo pois seria todo manual. Apesar de tudo isto o software não está desenvolvido a todo o seu potencial. Sendo completamente honesto o software tem as variadas opções que previamente mencionei (pausar, retroceder, avançar e ainda de diminuir ou aumentar a velocidade da gravação) mas todas subdesenvolvidas. O maior problema que encontrei principalmente a função de retroceder e de avançar visto que ao utilizar as hotkeys respetivas para tais funções perdia imenso era perdido imenso tempo pois o retrocesso ou avanço dava-se a uma velocidade mais lenta que a velocidade defina para o áudio (que por sua vez já estava com velocidade reduzida). Outro problema com que me deparei foi a zona para escrita não é a mais prática ou confortável e é muito limitada em termos de opções.
    Aparte disto quero mencionar ainda a importância que demos e deveríamos sempre dar ao longo nossa carreira profissional enquanto investigadores, ao código deontológico produzido pela Associação Portuguesa de Sociologia (APS). Passo a citar de modo a contextualizar o foco atribuído à anonimização e a responsabilidade perante a/o entrevistada/o:
    “É dever dos sociólogos procurar evitar que da recolha, utilização e divulgação de informação decorram prejuízos para quem a presta ou para aqueles acerca de quem a informação é prestada. Devem, nomeadamente, salvaguardar o direito das pessoas à privacidade e ao anonimato, bem como respeitar a confidencialidade de informações e resultados, em todas as situações em que ela tenha sido acordada.” “Os sociólogos têm estrita obrigação de velar pela protecção dos arquivos de informações ou bases de dados sujeitos a confidencialidade ou anonimato. Só em caso de absoluta necessidade devidamente justificada poderão esses arquivos ou bases de dados ser transferidos para outros profissionais de sociologia, desde que vinculados a este código deontológico.” (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992)

    Para terminar gostava apenas de agradecer aos membros do meu grupo, à entrevistada, aos membros todos os grupos que foram nossos colegas neste projeto, bem como ao painel de comentadores e a qualquer outra pessoa que tenha contribuído para a realização deste projeto em especial à professora doutora Rosalina Pisco Costa que não só nos guiou ao longo de todo o semestre como também se disponibilizou para nos ajudar caso necessário inclusive fornecendo as ferramentas que utilizámos e a informação necessária para as conseguir utilizar efetivamente.
    Bibliografia
    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). Condigo Deontológico. Lisboa: APS.

  8. Diário de Campo:
    No decorrer do 4º semestre do ano letivo de 2018/2019, na unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa do curso de Sociologia, foi proposta aos discentes a realização de alguns exercícios com o objetivo de aprofundar os nossos conhecimentos com base num trabalho mais prático do que os que nos tinham sido propostos anteriormente em outras unidades curriculares. Desde o primeiro exercício que tivemos de dar uso às noções que temos vindo a adquirir ao longo do curso sobre os métodos de entrevista e análise de dados. O tema sobre o qual recaiu todo o processo, “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”, foi acordado em aula em conjunto com a docente e com o consentimento de todos os alunos presentes. Com base nos requisitos previamente definidos, foi-nos solicitada a seleção de um indivíduo que correspondesse a esses mesmos critérios. Esta tarefa, apesar de no caso do meu grupo não se ter revelado muito complicada, deu-nos uma ideia mais aproximada da importância e da precisão da qual pode necessitar a escolha de um sujeito quando os parâmetros de seleção são mais específicos e em maior quantidade. Neste caso, apenas nos foi exigido que se tratasse de um estudante universitário que não tivesse uma ligação próxima ou familiar com os membros do grupo. Após termos estabelecido contactos e obtido a confirmação por parte do indivíduo a que solicitámos a participação nesta atividade, tivemos de reunir as condições necessárias para que a realização da entrevista fosse possível. No decorrer da mesma, fomos adquirindo com a experiência uma ideia mais estruturada e detalhada de todas as exigências a ter em conta, de forma a garantir a qualidade do seu desenvolvimento e dos dados recolhidos. O anonimato dos envolvidos foi respeitado e acordado juntamente dos participantes. Depois da realização deste exercício, foi-nos proposta uma observação direta, no caso do nosso grupo, de um outro sujeito, de uma prática que promovesse o seu bem-estar, sendo a do nosso entrevistado a preparação de uma refeição. Mais uma vez, o exercício revelou-se muito enriquecedor a nível de conhecimentos e exigiu todo o empenho da nossa parte. Esta atividade necessitou de ser documentada, não só por escrito, mas também através de registos fotográficos, o que acrescentou muito valor aos dados obtidos e facilitou a realização da análise dos mesmos. Ambas as entrevistas nos obrigaram a ser o mais rigorosos possíveis, tanto a nível de pontualidade como de disponibilidade. Não foram feitas exigências aos entrevistados e em ambas as entrevistas tivemos todo o gosto de nos deslocar ao local em que se encontravam os indivíduos de forma a facilitar todo o processo e a contribuir para um maior à vontade por parte dos mesmos visto encontrarem-se nas suas zonas de conforto, ou seja, nas suas residências. Por fim, foi-nos solicitado que realizássemos uma análise inter-casos, tendo para isso que recorrer a duas entrevistas das que tinham sido realizadas pelos outros grupos. Esta análise teve como objetivo efetuar uma comparação entre as 3 entrevistas de forma a tentar perceber se as opiniões quanto ao assunto, neste caso o “bem-estar”, divergiam ou se revelavam semelhantes entre si. No caso do “bem-estar físico”, as opiniões foram muito idênticas, focando todas o facto de que, para o mesmo se poder considerar existente, ser necessário sentir que estamos bem a nível de saúde, passando pela necessidade de ter uma alimentação cuidada e pela prática de exercício físico. A nível do “bem-estar psicológico”, alguns entrevistados fizeram referência à forma de como encaramos as atividades do nosso quotidiano e à influência que o mesmo tem também na nossa saúde. Quanto ao “bem-estar económico”, a opinião que se revelou mais presente foi a de ter uma vida desafogada, sem ter de fazer contas cada vez que é preciso fazer uma despesa inesperada que, apesar de ser idêntica, se revelou um pouco ausente entre os entrevistados, devido às contas que têm de suportar visto muitos se encontrarem a estudar fora da sua zona de residência e pelo custo das propinas que lhes é exigido para que possam continuar a seguir estudos no ensino superior. Contudo, o destaque que se revelou mais presente entre todos os grupos foi mesmo a noção do “bem-estar físico”, reforçando assim a importância que a saúde tem na vida de cada um e a forma como vivemos sem nos preocuparmos muito até que alguma doença se revele mais preocupante. Todos estes dados foram agrupados num software de análise qualitativa designado “NVivo” que facilitou todo o processo. Para concluir, com o auxílio dos relatórios de todos os exercícios, os dados de todo o processo foram sintetizados num vídeo realizado por cada um dos grupos, tarefa que proporcionou uma dinâmica a nível de apresentação de trabalhos muito significativa. Com isto, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer mais de perto as exigências a ter em conta num trabalho de investigação qualitativa e, na minha opinião, todos os envolvidos, apesar do tempo e dedicação que necessitaram de disponibilizar para a realização dos exercícios, sentiram uma grande satisfação ao ver os resultados obtidos a serem expostos em público. Os comentários aos trabalhos, no geral, foram positivos e muito gratificantes de receber, tanto por parte dos comentadores presentes na apresentação como de alguns membros do público que estavam presentes e se sentiram à vontade para intervir na discussão dos resultados expostos nos vídeos. Foi uma apresentação diferente daquelas a que estávamos habituados, mas até mesmo a noção dessa exposição pública contribuiu para que os alunos se preocupassem mais com a forma como o seu trabalho ia ser visto.
    Em suma, por mais trabalhosa que tenha sido esta unidade curricular, foi também das que até à data nos forneceu as ferramentas mais importantes para que possamos por em prática, se tudo correr bem, num futuro próximo, todos os conhecimentos obtidos através da experiência conseguida com todo o trabalho de campo. Com isto, queria agradecer à docente Rosalina Costa pelo gosto que demonstra ter por lecionar, esta e outras unidades curriculares, e pela dedicação e disponibilidade no acompanhamento de cada grupo que foi essencial para que os trabalhos correspondessem ao nível de exigência pretendido. Sinto neste momento que estou mais preparado e com mais capacidades para concluir o curso de Sociologia do que estava antes deste semestre.

  9. O meu diário de campo: Laboratório de análise qualitativa
    Como parte da minha avaliação na cadeira de Laboratório de análise qualitativa, disponho aqui o meu comentário acerca de percepções, curiosidades, momentos e conteúdos marcantes e desafios que esta cadeira me proporcionou, sem querer transmitir alguma ideia de melhor conteúdo ou pior.
    Lembro-me da primeira aula prática e que fiquei “wow” porque senti que era uma aula diferente, isto dito num sentido positivo. Senti que as aulas práticas foram muito boa a nível de dinâmica e o facto de serem aulas onde fazíamos muitos exercícios em que o debate oral era muito utilizado, facilitou muito a minha aprendizagem e também melhorou muito mais o interesse na cadeira em sim. As aulas teóricas apesar de serem mais pesadas também achei que eram boas a nível de dinâmica, contudo gostei mais das práticas. Durante esta unidade curricular elaborámos três relatórios. Sendo que o primeiro consistiu em fazer uma entrevista a um estudante universitário sobre o tema do Bem-estar que tinha e tem como questão de partida “quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários? “, posteriormente procedemos à elaboração de um relatório. Neste primeiro exercício aprendi de certa forma a fazer uma entrevista, a trabalhar um guião, a sentir “na pele” o que é que tudo isto implica. Durante a entrevista com o estudante senti uma sensação estranha de entusiasmo pois estava numa situação em que nunca estive e tinha que ser “profissional”, acabando por ficar um pouco nervosa. O facto de o estudante ser da mesma faixa etária que eu e de não ter ligações ao mesmo e estar numa situação profissional e séria, tornou tudo engraçado porque tanto eu e os meus colegas como ele sentimos uma ponta de graça na situação e acabou por fazer com que no fundo, nos ficássemos a conhecer, o que foi um aspecto muito positivo. Numa segunda fase tivemos que realizar a transcrição, no programa Express Scribe Transcription Software, dessa mesma entrevista e honestamente, não pensei que fosse assim tão complicado, no sentido em que tínhamos de estar muito concentrados para não nos enganarmos e sendo que também nos suscitou muitas dúvidas, por exemplo quando o entrevistado não acabava as frases / raciocínios ou quando utilizava o calão, entre outras coisas que acontecem quando nos expressamos oralmente. Na elaboração do primeiro relatório, lembro-me de o estar a fazer e ficar surpresa e “à toa” com algumas questões, contudo acho que é normal pois nunca me tinha deparado com um relatório desta natureza.
    O segundo exercício residiu numa observação de um Bem-estar praticado por um estudante universitário. Inicialmente pensámos em continuar este segundo exercício com o nosso entrevistado, mas devido à disponibilidade do mesmo, não foi possível e optámos por saber de um indivíduo que se voluntariou porque ouviu falar deste trabalho por amigos que tínhamos em comum. Acabámos por achar interessante faze-lo a ele pois ele mesmo propôs tocar baixo como uma actividade de promoção ao Bem-estar psicológico. Prosseguimos então à marcação da observação que ocorreu na sala de estar do individuo. Tirámos fotos, filmámos a actividade, o observado contou-nos um pouco da história da sua vida e também dos motivos que o levaram a tocar baixo e como é que essa prática promove ou influencia o seu Bem-estar emocional. Durante esta observação utilizámos o guião para no guiarmos ao longo desta observação. Após esta parte, procedemos à elaboração do relatório 2.
    Numa fase final, fizemos o terceiro relatório que consistiu numa análise inter-casos. A docente Rosalina Costa disponibilizou-nos todas as entrevistas transcritas de maneira a podermos escolher duas para, juntamente com a transcrição da nossa entrevista, conseguirmos organizar as informações por Nós, no programa Nvivo 12, e de seguida realizarmos um relatório onde procedemos a uma “comparação” e análise das informações da dimensão, no nosso caso, do Bem-estar físico.
    Como método de avaliação e de podermos partilhar também este nosso trabalho elaborado ao longo do ano, realizámos um vídeo que apresentámos dia 12 de Junho ao público, onde a docente convidou três convidados, um aluno de doutoramento, uma aluna de licenciatura e uma aluna de mestrado. No final, muitas pessoas, incluindo alguns colegas meus, professores, pessoas que vieram assistir, partilharam as suas opiniões, até mesmo abrindo algumas questões de debate.
    A meu ver, este trabalho foi muito enriquecedor a nível de conteúdo, de aprendizagem, para compreendermos como se faz estes trabalhos de investigação e como proceder também à elaboração dos mesmos. Definitivamente que a minha parte favorita foi a realização da apresentação em formato de vídeo, pois achei que ao realizar esta apresentação, consegui de certa forma ter e mostrar a minha perspectiva geral acerca destes três exercícios, sendo que tanto a minha como a dos meus colegas, mas de uma forma mais gráfica e “leve” mas, obviamente, com o conteúdo fundamental recolhido ao longo do semestre. A parte que menos me suscitou interesse foi, talvez, a transcrição da entrevista. Acho que, depois de ter finalizado o trabalho, posso afirmar que ganhei competências e que futuramente com certeza que vou utilizar os programas que me foram apresentados como um recurso mais indicado e sério para a elaboração dos exercícios. Numa vertente mais pessoal, sinto que este trabalho me mostrou a importância de ser organizada em termos de tempos e de conteúdos, também me deu mais confiança em mim própria pois senti que realmente consigo ser “profissional” e séria. No fundo, vi outra faceta de mim. Apercebi-me também de todo o trabalho que é feito por o sociólogo tanto como também como esse desempenha o seu papel. Notei também que uma investigação qualitativa é um processo complexo e meticuloso, apesar de neste trabalho não termos entrado numa vertente mais profunda onde poderíamos encontrar outras questões interessantes.
    Para concluir, quero deixar um agradecimento especial à docente Rosalina Costa que nos guiou, encorajou e apoio ao longo da elaboração deste trabalho, desde o início até ao fim. Quero agradecer também aos meus colegas de grupo tanto como aos meus colegas de turma por se disponibilizarem sempre para esclarecer dúvidas e debater ideias.

  10. Ética: orientações para a investigação sociológica – como recolher, analisar e interpretar?

    Na unidade curricular Laboratório de Análise Qualitativa foi proposta a realização de um momento de entrevista semiestruturada, e outro exercício de observação direta. A questão pela qual este comentário se irá debruçar passa pelas orientações éticas que a profissão de sociólogo exige.

    Em 1992 foi aprovado em Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Sociologia o Código Deontológico. Os estudantes que ingressam o curso de sociologia devem procurar, desde logo, seguir as orientações pelas quais se pauta este código, como forma de contribuir para a credibilização das suas investigações. O principal objetivo de um documento desta natureza é orientar os profissionais e dotá-los de deveres para com a profissão, os colegas, alunos, e sociedade, pois é sobre ela que incide, portanto, deve-lhe esse compromisso de apresentar factos baseados no processo desde a recolha, análise e interpretação dos dados. Em momento algum os sociólogos podem utilizar a sua atividade profissional tendo em consideração um fim que não seja fundamentado e do interesse da comunidade; quer-se com isto dizer, que não devem utilizar a sociologia como um caminho fraudulento que sirva as suas convicções.

    Realizar investigações qualitativas significa que o investigador é dotado de competências ao nível da metodologia com as quais, se cumpridas, se consegue obter resultados empiricamente fundamentados – produzindo ciência. De facto, assume-se não raras vezes as ciências sociais como não significativas naquela que é a leitura apresentada quotidianamente, tendo em consideração que em muitas ocasiões se trabalha com dados que podem ser subjetivos, ou apresentam conteúdos latentes. Então, irá ser sobre as implicações que dizem respeito ao momento da entrevista que se irá refletir nos próximos momentos.

    O papel do sociólogo, em especial se se inserir num grupo de trabalho, deve começar por estabelecer relações de confiança e respeito pelos seus colegas, de modo a não prejudicar o processo; em casos em que não se sinta com capacidades para aquele trabalho em específico, deve optar por delegar outra pessoa para assumir o seu cargo. No caso de poderem existir situações dúbias aquando do exercício da profissão, o sociólogo deve procurar o Conselho de Deontologia, para que desta forma possa resolver a sua situação com o apoio de outros sociólogos encarregues de tal, tendo sempre como fim último a tomada de decisões que possam estar em conformidade com o código deontológico. Exemplo da aplicabilidade desde conselho pode ser o caso de um entrevistado que confesse ser vítima de violência doméstica. Sendo considerado um crime público, como pode proceder o sociólogo, se assegurou que a confidencialidade da informação seria assegurada? Nestes casos, antes de tomar uma decisão, o sociólogo deve procurar privar com membros do conselho, e, assim, entender como se pode ajudar a pessoa entrevistada, sem que para tal necessariamente se entre em conflito com o código deontológico, ou com os meios judiciais. Estes momentos de verdadeira incerteza e questionamento irão certamente acontecer a todos os investigadores, ainda que com contornos diversos, mas o que importa reter é que o conselho de deontologia foi criado, precisamente, para procurar resolver este tipo de problemáticas que se interpelam nos momentos de recolha de informação – por maior que seja a vontade de seguir rigorosamente as orientações, o investigador não deixa de ter responsabilidades sociais.

    No momento de recolha de dados devem ser inúmeros os cuidados a serem tomados; desde logo, não devem ser entrevistadas pessoas próximas ao investigador, quer sejam de redes familiares, ou amicais – as relações de proximidade podem constranger os entrevistados, e/ou colocar o entrevistador numa posição que pode não ser tão atenta, pois alguns elementos não precisa de explorar, por já os saber. Desta forma, não se criando um certo distanciamento, podem resultar situações pouco éticas do ponto de vista da investigação científica.

    Primeiramente, neste processo, é fundamental delinear-se o caminho e objetivos a cumprir, pois a pessoa que se disponibiliza para uma entrevista, ou um outro momento de registo para investigação, tem de o fazer de forma completamente livre e informada – não pode ser surpreendida durante o processo por elementos que não foram expressamente apresentados, pois daí poderiam resultar situações problemáticas do ponto de vista ético. Em seguida, o entrevistador deve referir que não se espera que as respostas estejam corretas ou incorretas, pois o que se pretende é perceber as inquietações, anseios e perceções da pessoa relativamente a um determinado tema em estudo; em nenhum momento o entrevistador pode condicionar, ou mesmo encurtar as respostas, conforme lhe seja mais conveniente.

    Relativamente ao processo de análise e interpretação de resultados, cabe aos sociólogos ter o cuidado de não transpor para a investigação entendimentos de sua ordem. A investigação qualitativa, sendo científica, orienta-se por princípios factuais, ainda que possam incluir elementos que sejam subjetivos. Como pode ler-se no Artigo n.º 4 do Código Deontológico:

    “Os sociólogos devem procurar conseguir a maior objetividade possível na análise da realidade social. Trata-se, não de considerar a produção de conhecimento sociológico como socialmente neutra, mas de evitar distorções deliberadas resultantes de interesses ou convicções, e de explicitar os pressupostos presentes nesta análise (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992, p. 8).”

    Por exemplo, no exercício da unidade curricular referente à observação direta, foi impossível ficar indiferente ao cheiro a especiarias que a entrevistada guarda no seu quarto. Como era sabido desde a entrevista, os seus avós são indianos, e, portanto, a afetividade e importância que a entrevistada atribuiu às especiarias começou a fazer mais sentido, se ‘ligados’ os pontos. Efetivamente, foi possível no decorrer da observação confirmar-se o que se considerou como um conteúdo latente, tendo sido explicitado pela estudante. O ‘treino’ neste tipo de competências vai sendo aperfeiçoado ao longo do tempo, pois começa a perceber-se melhor o que deixa os entrevistados reticentes, animados, tristes, ou incomodados; no fundo, importa também registar estes momentos que não são sempre óbvios e descritos pelos indivíduos, mas alteram o seu comportamento. Esta análise não implica, ou pelo menos não deve implicar juízos de valor, ou um enviesamento da informação. Cabe ao sociólogo, enquanto cientista social, ter seriedade e conhecer bem o código deontológico, que faz referência a estas questões.

    O que se tentou assegurar da melhor forma possível no momento da entrevista e da observação direta foi precisamente não interromper a entrevistada, e assumir uma postura que não indique os posicionamentos pessoais acerca do desenrolar do momento. Desta forma, não se criam constrangimentos que podem delimitar a informação recolhida.

    No processo de análise e interpretação dos dados recolhidos, deve ter-se em atenção que “nos trabalhos que apresentem, os profissionais de sociologia devem distinguir entre resultados de análise e propostas ou recomendações que neles se possam basear” (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992, p. 11). Ao realizar-se uma entrevista é fundamental não aplicar, até mesmo na linguagem utilizada, entoações ou expressões que distorçam, de certa forma (propositadamente, ou não) a informação recolhida. Claro que esta é uma tarefa exigente, pois um sociólogo não é totalmente despersonificado de si mesmo; tem os seus valores e orientações, porém, essas não devem, em momento algum, limitar os resultados, ou mesmo enviesá-los de forma consciente.

    Em suma, as questões éticas são um tema cada vez mais frequente, e, não podendo deixar de ser, no seio da própria Associação Portuguesa de Sociologia são debatidas. No X Congresso Português de Sociologia (2018) – «Na era da “pós-verdade”? Esfera pública, cidadania e qualidade da democracia no Portugal contemporâneo» -, foram discutidos, precisamente, os novos desafios ao código deontológico dos sociólogos, tendo-se discutido se deve, ou não, ser atualizado, com o intuito de albergar novos entendimentos relativos à profissão dos sociólogos no cumprimento daqueles que são os princípios da ética profissional.

    Bibliografia:
    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). “Código Deontológico”. Lisboa: APS.

  11. Procedimentos para a análise dos dados da entrevista semi-diretiva: perceções sobre a experiência qualitativa

    Na Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa realizámos três exercícios distintos com diferentes metodologias sobre o tema “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”, onde num primeiro momento realizamos uma entrevista semi-diretiva presencial e individual perante um guião realizado entre os alunos e a docente, efetuamos uma transcrição verbatim e posteriormente um relatório da entrevista. No segundo exercício realizamos uma observação direta de uma prática com vista a obtenção do bem-estar. Para o terceiro e último exercício utilizámos as transcrições das entrevistas efetuadas no âmbito do primeiro exercício, transcrições essas que os grupos realizaram, para neste último momento de investigação executarmos uma análise inter-casos com a finalidade de verificar as perceções dos entrevistados relativamente a um determinado bem-estar.
    Neste diário de campo, vou exprimir a minha perceção relativamente ao primeiro exercício elaborado nesta unidade curricular. Eu tive a oportunidade de realizar a entrevista para este primeiro exercício e esta foi uma experiência que tenho a destacar nesta disciplina. Foi a primeira vez que realizei algo desta natureza, de um modo mais próximo à realidade profissional, e considerei um momento importante a mencionar neste comentário.
    Antecipadamente à entrevista, reli o guião variadas vezes com o objetivo de me sentir mais preparada e, de certo modo, mais profissional. Quando chegou o momento da entrevista, fiquei um pouco nervosa por estar a entrevistar um estudante com quem nunca tinha interagido, sendo este um estranho para mim, e senti-me receosa por estar a realizar um questionário a um aluno com a mesma idade que eu. No entanto, ao longo do decorrer da entrevista, senti-me, progressivamente mais à vontade e confiante apesar de continuar um pouco nervosa. Quando finalizei a entrevista e me despedi do aluno, fui ouvir a gravação efetuada para verificar se estava percetível e se tinha toda a informação necessária. Foi então que me apercebi que a minha prestação poderia ter sido de outra forma, dado que, por um lado, saliento o meu nervosismo devido à minha dificuldade em conseguir aplicar as questões do guião e, posteriormente, verifiquei que não mencionei algumas perguntas que não cheguei a mencionar durante a entrevista. Apesar destes lapsos, fiquei aliviada pois, após finalizar a entrevista, pensei que esta tivesse decorrido de forma diferente, sem alcançar os objetivos pretendidos e que a informação recolhida não fosse suficiente.
    Após feita esta parte inicial passámos então para a transcrição verbatim, construída a partir do software Express Scribe Transcription, onde no meu grupo de trabalho, dividimos por todas com o objetivo de cada pessoa ficar com alguns conhecimentos deste programa de apoio à análise de investigação qualitativa. Confesso que, mais uma vez, não considerei uma tarefa de todo fácil devido a ter algumas dificuldades a conseguir interpretar pormenores como, por exemplo, as palavras do estudante pois, nem sempre conseguia interpretar se era o sotaque do entrevistado ou o prolongamento das palavras, característico da sua oralidade. Tive também uma preocupação especial em tentar conseguir interpretar todos os sons, pausas, palavras, entre outros, tendo, deste modo, algum receio de deixar de lado alguns aspetos relevantes. Mas, exceto isso, achei muito interessante pelo facto de que, por vezes, num diálogo normal nem sempre reparamos em determinados detalhes que apresentamos na fala, ou na dificuldade que, por vezes, temos a tentar explicar uma ideia ou a exprimir a nossa opinião. Ao ouvir a entrevista também consegui verificar que houve certas perguntas que, ao questionar o estudante, o deixaram com algumas dificuldades em procurar as palavras que melhor explicariam aquilo que este queria transmitir.
    Posteriormente, no relatório de análise da entrevista, ainda no primeiro exercício, foi possível verificar que apesar de toda a dificuldade do aluno em explicar a sua visão relativamente ao bem-estar, entre interrupções na sua própria fala a repetições de palavras que acabara de dizer, conseguimos encontrar no seu diálogo, quase de uma forma subentendida, a sua verdadeira opinião. Então, desta forma, conseguimos percecionar que este tipo de análise qualitativa acaba por ser uma metodologia muito importante pelo motivo de conseguir chegar ao fundo do que era proposto através de uma análise rigorosa e com um maior cuidado. É importante referir que, como já mencionei anteriormente, há particularidades que se revelam aliciantes das quais não nos apercebemos pelo simples facto de nem sempre estarmos constantemente atentos ao que estamos a dizer ou estarmos atentos ao que os demais nos transmitem.
    Tenho a destacar também neste primeiro exercício a importância do código deontológico, que foi algo que tivemos que ter sempre em atenção ao longo dos exercícios efetuados durante este semestre, onde existe a necessidade de garantir o anonimato. Neste caso foi a anonimização do entrevistado havendo um procedimento prévio à entrevista que engloba a garantia de que toda a informação que este nos irá transmitir será somente para o âmbito escolar e que iremos utilizar um pseudónimo para que exista então uma maior garantia desta anonimização. Como podemos verificar no Código da Associação Portuguesa de Sociologia, na secção B – Recolha de Informação, nº 8: “é dever dos sociólogos procurar evitar que da recolha, utilização e divulgação de informação decorram prejuízos para quem a presta ou para aqueles acerca de quem a informação é prestada. Devem, nomeadamente, salvaguardar o direito das pessoas à privacidade e ao anonimato, bem como respeitar a confidencialidade de informações e resultados, em todas as situações em que ela tenha sido acordada (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992, p. 9)”. Com isto, é importante então ter em conta todos estes cuidados que, foram pertinentes para estes exercícios e, também são uma grande ajuda para o nosso futuro enquanto sociólogos.
    Em suma, este primeiro exercício demonstrou-se logo desde início numa tarefa árdua, no sentido em que tive que realizar inúmeras tarefas das quais não me encontrava familiarizada, como estar no papel de entrevistador, a transcrição verbatim, uma análise aprofundada de uma forma qualitativa, os cuidados a ter enquanto socióloga a partir do código deontológico APS, entre vários outros. Na minha opinião, apesar de toda a dificuldade que tive na elaboração deste exercício inicial, acabou por se tornar bastante promotor para o futuro e foi também uma boa experiência.

    Bibliografia
    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). Código Deontológico. Lisboa: APS.

  12. O decorrer da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa na Universidade de Évora

    Obrigatória no Curso de Sociologia, a Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa através de uma componente teórica e prática, visa promover o conhecimento e a aprendizagem individual e/ou coletiva relativamente ao processo de investigação e análise qualitativas.
    É de salientar que, durante toda a realização dos exercícios nos regemos pelo Código Deontológico, que é algo muito importante pelo facto de estarmos a realizar uma investigação social, ou seja, a desenvolver práticas sociais, neste caso, com entrevistados e junto dos quais temos que assumir responsabilidades, e do qual eu não tinha conhecimento até então.
    De forma a dar início à investigação que desenvolvemos durante o 4º semestre definimos o tema “Bem-estar” e, posteriormente, uma questão de partida relacionada com o mesmo “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”. Posto isto, seguiram-se três fases distintas. Numa primeira fase, a realização de uma entrevista a um estudante da Universidade de Évora, o qual nunca seria associado ao seu nome verídico e sim a um nome fictício decidido pelo grupo em que o único requisito seria que ficasse com a mesma inicial. Para isso, elaboramos um guião que nos ajudou na forma como iríamos realizar a entrevista e que informação retirar durante o decorrer da mesma. Posteriormente, realizamos uma transcrição verbatim da entrevista, uma vez que a mesma foi gravada com consentimento. Foi um exercício bastante exigente pois, seria necessário realizar o mesmo com muito rigor e muita atenção de modo a conseguir retirar toda a informação que o entrevistado nos transmitisse, bem como as pausas, o sentido de cada frase, o sotaque, os risos, isto é, tudo aquilo que é verbalizado no decorrer da entrevista, quer por parte do entrevistado, quer por parte do entrevistador. Só desta forma e obedecendo a todos estes pontos de forma dedicada, se consegue uma transcrição bem feita capaz de uma boa análise e interpretação de dados. Caso contrário, ou seja, caso existam erros na transcrição, pode-se transparecer uma ideia errada do conteúdo para o leitor. Numa segunda fase, realizamos uma observação direta, ou seja, uma observação de, novamente, um estudante universitário, (poderia ser o primeiro entrevistado mas caso o mesmo não tivesse disponibilidade poderíamos escolher outra pessoa a quem fazê-lo. No meu caso, e do meu grupo de trabalho, tivemos que optar por outra pessoa) a realizar uma prática promotora de bem-estar. Neste exercício, teríamos que observar não só o entrevistado na realização da sua prática, bem como o espaço envolvente e nesse seguimento, enquanto fazíamos a observação tirávamos fotografias, algumas notas importantes e filmávamos. É de realçar que, uma vez mais, a identidade do entrevistado ou quaisquer outras pessoas que possam aparecer não foi divulgada, pelo que, em todas as fotografias e vídeos foi necessário desfocar ou cortar quando houvesse alguma face visível. Após esta observação, como foi no primeiro exercício, tivemos que fazer uma análise do conteúdo retirado. Numa terceira e última fase, foi nos solicitado que fizéssemos uma comparação entre três entrevistas, entre as quais a realizada pelo próprio grupo e outras duas (escolhida pelo grupo) de outros grupos de trabalho. O objetivo desta fase passava pelo facto de se conseguir obter uma resposta fundamentada à questão de partida que já mencionei acima. Dessa forma, recorremos a um software de análise qualitativa de conteúdo que nos facilitou na análise e recolha dos dados relativos a essas mesmas entrevistas e ao seu conteúdo, de forma a obter os resultados para as respostas à questão de partida. Por fim e por forma a concluir todo este trabalho, apresentamos ao público, em formato de vídeo uma pequena síntese de todos estes exercícios desenvolvidos ao longo do semestre.
    Para mim, esta Unidade Curricular, para além de ter sido a mais exigente também foi uma das mais cativantes em termos de experiência pois, o facto de estar em contacto com outras pessoas, a entrevistá-las e a observá-las relativamente a um tema que é bastante corrente no quotidiano de cada um de nós e o facto das mesmas depositarem em nós a confiança necessária a ponto de, tanto gravá-las como fotografá-las, fez com que desenvolvesse competências e perceções relativas ao trabalho que um sociólogo desempenha. Não desfazendo da parte teórica mas para mim a parte prática teve um impacto mais gratificante.
    De realçar a importância que a realização deste trabalho teve na minha vida tanto a nível académico como a nível pessoal. A nível académico, embora sentisse, a certo ponto, que era demasiado exigente e que requeria de demasiado esforço, o facto de ser um trabalho progressivo e de continuidade suscitava sempre alguma curiosidade relativamente ao que iríamos desempenhar numa próxima etapa e isso fez com que estivesse dentro de alguns processos por que um sociólogo tem que passar. Por exemplo, o facto de termos que encontrar horários compatíveis entre os membros do grupo e os entrevistados poderia ter sido um problema, mas no meu caso e do meu grupo de trabalho, uma vez que foi uma parte fácil de decidir fez com que facilitasse todo o processo de trabalho. A nível pessoal, graças ao conhecimento que obtive no início desta investigação do Código Deontológico, comecei a compreender melhor quais são as grandes responsabilidades de um sociólogo e a importância das mesmas perante aqueles que depositam em nós e no nosso trabalho a sua confiança, sejam entrevistados, instituições ou outros.
    Por fim, falando dos resultados obtidos com este trabalho de investigação de análise qualitativa, é interessante ver que, embora o bem-estar, seja social, económico, psicológico, físico, esteja presente no dia-a-dia de todas as pessoas, falar dele é importante quando vemos que as perspetivas relativamente ao mesmo podem ser completamente distintas e diferentes entre, neste caso, estudantes universitários, em que podemos ver e perceber o que os mesmos entendem por bem-estar e posteriormente quais são as perceções e fontes que lhe atribuem.
    Com toda esta aprendizagem teórica e prática, além de perceber que a componente qualitativa difere bastante da componente quantitativa, creio que, caso seja necessário trabalhar numa investigação qualitativa, estarei capacitada para o fazer, tanto na recolha como na análise de dados.

  13. Experiências- Saúde e bem -estar nos estudantes universitários da Universidade de Évora

    A investigação qualitativa “Saúde e bem – estar nos estudantes universitários da Universidade de Évora” fez parte do estudo que decorreu no âmbito da Licenciatura em Sociologia, unidade curricular laboratório de análise qualitativa na edição de 2018/2019. Este investigação tem como objetivo geral compreender de que modo as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem – estar se associam no quotidiano dos estudantes universitários. E tem como objetivos específicos distinguir as distintas representações sociais e perceções que os estudantes universitários têm acerca do (seu) bem – estar, identificar e caracterizar as principais fontes e práticas adotadas pelos estudantes universitários à promoção do bem – estar e compreender o quotidiano académico como promotor/ inibidor de perceção de bem- estar entre os estudantes universitários.
    A saúde tem a ver com a qualidade de vida. Segundo A organização mundial de saúde referiu que a saúde é a ausência de doença mas sim é um estado completo de bem – estar físico, social e psicológico. O bem – estar físico tem a ver com o facto de não ter doença; o bem – estar psicológico está relacionado com a presença de sintomas positivos em relação à vida; o bem – estar social tem a ver com a capacidade de responder aos desafios e tarefas sociais. A representação de bem – estar modifica de acordo com a cultura. Também é crucial ter preocupação com a saúde e bem – estar dos estudantes universitários , visto que, os mesmos passam por várias mudanças: mudança de cidade, de casa, de novos amigos e professores, de universidade, alterações nas questões económicas, isto leva a que os estudantes universitários tenham mais responsabilidades, autonomia, adaptação à nova realidade, muitos dos estudantes têm dificuldade em se adaptar à grande mudança, isto pode levar a problemas ao nível da saúde e do bem-estar.
    Na minha opinião, esta unidade curricular foi muito pertinente e desafiante, no sentido de conciliar a teoria com a prática. A teoria e a prática estão interligadas, visto que, não aprendemos tudo na teoria ou tudo na prática, ou seja, precisamos das duas perspetivas para ter uma aprendizagem eficaz.
    Esta unidade curricular deu-me boas ferramentas para pôr as minhas habilidades práticas à prova e também permitiu para que eu pudesse adquirir mais competências no que diz respeito à observação, à entrevista, ao código deontológico, o mesmo exige que nós futuros sociólogos tenhamos o princípio de responsabilidade relativamente à sociedade ( pessoas, instituições e entre outros). Segundo a Associação Portuguesa de Sociologia (1992), os sociólogos devem exercer a sua profissão de acordo com os elevados padrões de competência profissional ao seu alcance. Os sociólogos devem ser muitos objetivos relativamente à análise da realidade social e ter um bom relacionamento com os atores sociais, se não houver uma relação de confiança, o trabalho do sociólogo será muito difícil. Também será importante a capacidade de não julgamento e empatia. Relativamente à recolha de informação, os sociólogos não devem o princípio de voluntariedade de fornecimento de informação por parte da população e instituições (Associação portuguesa de sociologia, 1992). Na recolha de informação, coloca-se a questão das diferenças de estatutos entre os sociólogos e pessoas e instituições que agregam os objetos de estudo. Os sociólogos não devem divulgar informação recolhida, visto que, as pessoas têm o direito à privacidade, à confidencialidade de informações e resultados e ao anonimato (Associação portuguesa de Sociologia,1992).

    Entrevista – Exercício 1
    A elaboração de um guião foi um trabalho muito minucioso, ou seja, tínhamos que saber o objetivo da entrevista, colocar as perguntas de forma correta e na altura adequada, para obtermos mais informação. A entrevista requer muito tempo para recolher informação. Após a entrevista, fizemos a transcrição da mesma, na minha opinião esta tarefa foi difícil, dado que, exigiu muita atenção e tempo.
    Observação direta – Exercício 2
    A observação é um procedimento de recolha de informação, através de órgãos sensoriais, que de forma intencional e no quadro de uma investigação científica, possibilita descrever a realidade (Costa, 2019).
    A realização da observação direta de uma atividade promotora de bem- estar que teve como intuito compreender de que modo as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem -estar se associam no quotidiano dos estudantes universitários. Estivemos a observar o espaço, sub-espaço, a protagonista, os gestos os movimentos, as interações, o vestuário, os sons , as cores e as emoções. Não foi uma tarefa fácil, visto que, consiste na visualização e registo de padrões do comportamento e também exige muita concentração. É uma boa ferramenta para recolher e cruzar informações através de vários instrumentos: registo e observação de dados, blocos de notas, máquina fotográfica, de filmagem e telemóvel.
    Análise de diversas entrevistas – Exercício 3
    Fez-se a comparação de várias entrevistas para ter a resposta de forma científica à questão que foi colocada no início do semestre. Foi utilizado um software de análise qualitativa de conteúdo NVIVO 12, confesso que desconhecia esta ferramenta, a mesma foi muito importante e facilitadora para a análise qualitativa para intra -casos. Este software consegue analisar as várias entrevistas e categorizá-las em várias dimensões: representações, fontes, perceções.
    Eu consegui perceber através dos resultados da análise de diversas entrevistas, os estudantes universitários têm diferentes perspetivas sobre o bem -estar, ou seja, têm diferentes definições , representações, fontes e perceções sobre o bem estar.
    Este semestre aprendi sobre a análise qualitativa, mas não podemos esquecer da análise quantitativa que também é importante porque também permite recolher dados através de questionários / inquéritos, ou seja, fornecem informações numéricas sobre o comportamento da pessoa, da instituições e entre outros e são adequadas para apurar opiniões e atitudes conscientes dos entrevistados, requer menos tempo e menos passíveis de erros de interpretação do que na análise qualitativa, a mesma tem com objetivo interpretar o fenómeno social através de entrevista e de observação, as mesmas foram utilizadas nesta unidade curricular.
    Contudo, quero agradecer à professora por me ter dado a oportunidade de entrar em contacto com o “terreno “, que foi um grande desafio, porque aprendi tanto e deu-me uma grande responsabilidade no sentido de encontrar o entrevistado e a pessoa para observação e cumprir o código deontológico. Consegui perceber melhor as minhas responsabilidades, os meus direitos e os meus deveres enquanto futuro sociólogo. Com esta aprendizagem será útil para o meu futuro profissional se voltar a fazer a investigação qualitativa.

    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). O Código deontológico.

    Costa, R. Miranda (2019). A recolha de dados: estratégias privilegiadas em investigação qualitativa. Moodle universidade de Évora

    Évora, 13 de Junho de 2019

  14. Procedimentos para a análise dos dados da entrevista semi-diretiva: perceções sobre a experiência qualitativa

    Na Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa realizámos três exercícios distintos com diferentes metodologias sobre o tema “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”, onde num primeiro momento realizamos uma entrevista semi-diretiva presencial e individual perante um guião realizado entre os alunos e a docente, efetuamos uma transcrição verbatim e posteriormente um relatório da entrevista. No segundo exercício realizamos uma observação direta de uma prática com vista a obtenção do bem-estar. Para o terceiro e último exercício utilizámos as transcrições das entrevistas efetuadas no âmbito do primeiro exercício, transcrições essas que os grupos realizaram, para neste último momento de investigação executarmos uma análise inter-casos com a finalidade de verificar as perceções dos entrevistados relativamente a um determinado bem-estar.
    Neste diário de campo, vou exprimir a minha perceção relativamente ao primeiro exercício elaborado nesta unidade curricular. Eu tive a oportunidade de realizar a entrevista para este exercício e foi uma experiência que tenho a destacar nesta disciplina. Foi a primeira vez que realizei algo desta natureza, de um modo mais próximo à realidade profissional, e considerei um momento importante a mencionar neste comentário.
    Antecipadamente à entrevista, reli o guião variadas vezes com o objetivo de me sentir mais preparada e, de certo modo, mais profissional. Quando chegou o momento da entrevista, fiquei um pouco nervosa por estar a entrevistar um estudante com quem nunca tinha interagido, sendo este um estranho para mim, e senti-me receosa por estar a realizar um questionário a um aluno com a mesma idade que eu. No entanto, ao longo do decorrer da entrevista, senti-me, progressivamente mais à vontade e confiante apesar de continuar um pouco nervosa. Quando finalizei a entrevista e me despedi do aluno, fui ouvir a gravação efetuada para verificar se estava percetível e se tinha toda a informação necessária. Foi então que me apercebi que a minha prestação poderia ter sido de outra forma, dado que, por um lado, saliento o meu nervosismo devido à minha dificuldade em conseguir aplicar as questões do guião e, posteriormente, verifiquei também que houveram (verifiquei que não mencionei) algumas perguntas que não cheguei a mencionar durante a entrevista. Apesar destes lapsos, fiquei aliviada pois, após finalizar a entrevista, pensei que esta tivesse decorrido de forma diferente, sem alcançar os objetivos pretendidos e que a informação recolhida não fosse suficiente.
    Após feita esta parte inicial passámos então para a transcrição verbatim, construída a partir do software Express Scribe Transcription, onde no meu grupo de trabalho, dividimos por todas com o objetivo de cada pessoa ficar com alguns conhecimentos deste programa de apoio à análise de investigação qualitativa. Confesso que, mais uma vez, não considerei uma tarefa de todo fácil devido a ter algumas dificuldades a conseguir interpretar pormenores como, por exemplo, as palavras do estudante pois, nem sempre conseguia interpretar se era o sotaque do entrevistado ou o prolongamento das palavras, característico da sua oralidade. Tive também uma preocupação especial em tentar conseguir interpretar todos os sons, pausas, palavras, entre outros, tendo, deste modo, algum receio de deixar de lado alguns aspetos relevantes. Mas, exceto isso, achei muito interessante pelo facto de que, por vezes, num diálogo normal nem sempre reparamos em determinados detalhes que apresentamos na fala, ou na dificuldade que, por vezes, temos a tentar explicar uma ideia ou a exprimir a nossa opinião. Ao ouvir a entrevista também consegui verificar que houve certas perguntas que, ao questionar o estudante, o deixaram com algumas dificuldades em procurar as palavras que melhor explicariam aquilo que este queria transmitir.
    Posteriormente, no relatório de análise da entrevista, ainda no primeiro exercício, foi possível verificar que apesar de toda a dificuldade do aluno em explicar a sua visão relativamente ao bem-estar, entre interrupções na sua própria fala a repetições de palavras que acabara de dizer, conseguimos encontrar no seu diálogo, quase de uma forma subentendida, a sua verdadeira opinião. Então, desta forma, conseguimos percecionar que este tipo de análise qualitativa acaba por ser uma metodologia muito importante pelo motivo de conseguir chegar ao fundo do que era proposto através de uma análise rigorosa e com um maior cuidado. É importante referir que, como já mencionei anteriormente, há particularidades que se revelam aliciantes das quais não nos apercebemos pelo simples facto de nem sempre estarmos constantemente atentos ao que estamos a dizer ou estarmos atentos ao que os demais nos transmitem.
    Tenho a destacar também neste primeiro exercício a importância do código deontológico, que foi algo que tivemos que ter sempre em atenção ao longo dos exercícios efetuados durante este semestre, onde existe a necessidade de garantir o anonimato. Neste caso foi a anonimização do entrevistado havendo um procedimento prévio à entrevista que engloba a garantia de que toda a informação que este nos irá transmitir será somente para o âmbito escolar e que iremos utilizar um pseudónimo para que exista então uma maior garantia desta anonimização. Como podemos verificar no Código da Associação Portuguesa de Sociologia, na secção B – Recolha de Informação, nº 8: “é dever dos sociólogos procurar evitar que da recolha, utilização e divulgação de informação decorram prejuízos para quem a presta ou para aqueles acerca de quem a informação é prestada. Devem, nomeadamente, salvaguardar o direito das pessoas à privacidade e ao anonimato, bem como respeitar a confidencialidade de informações e resultados, em todas as situações em que ela tenha sido acordada (Associação Portuguesa de Sociologia, 1992, p. 9). “. Com isto, é importante então ter em conta todos estes cuidados que, foram pertinentes para estes exercícios e, também são uma grande ajuda para o nosso futuro enquanto sociólogos.
    Em suma, este primeiro exercício demonstrou-se logo desde início numa tarefa árdua, no sentido em que tive que realizar inúmeras tarefas das quais não me encontrava familiarizada, como estar no papel de entrevistador, a transcrição verbatim, uma análise aprofundada de uma forma qualitativa, os cuidados a ter enquanto socióloga a partir do código deontológico APS, entre vários outros. Na minha opinião, apesar de toda a dificuldade que tive na elaboração deste exercício inicial, acabou por se tornar bastante promotor para o futuro e foi também uma boa experiência.

    Bibliografia
    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). Código Deontológico. Lisboa: APS.

  15. Experiências- Saúde e bem -estar nos estudantes universitários da Universidade de Évora

    A investigação qualitativa “Saúde e bem – estar nos estudantes universitários da Universidade de Évora” fez parte do estudo que decorreu no âmbito da Licenciatura em Sociologia, unidade curricular laboratório de análise qualitativa na edição de 2018/2019. Este investigação tem como objetivo geral compreender de que modo as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem – estar se associam no quotidiano dos estudantes universitários. E tem como objetivos específicos distinguir as distintas representações sociais e perceções que os estudantes universitários têm acerca do (seu) bem – estar, identificar e caracterizar as principais fontes e práticas adotadas pelos estudantes universitários à promoção do bem – estar e compreender o quotidiano académico como promotor/ inibidor de perceção de bem- estar entre os estudantes universitários.
    A saúde tem a ver com a qualidade de vida. Segundo A organização mundial de saúde referiu que a saúde é a ausência de doença mas sim é um estado completo de bem – estar físico, social e psicológico. O bem – estar físico tem a ver com o facto de não ter doença; o bem – estar psicológico está relacionado com a presença de sintomas positivos em relação à vida; o bem – estar social tem a ver com a capacidade de responder aos desafios e tarefas sociais. A representação de bem – estar modifica de acordo com a cultura. Também é crucial ter preocupação com a saúde e bem – estar dos estudantes universitários , visto que, os mesmos passam por várias mudanças: mudança de cidade, de casa, de novos amigos e professores, de universidade, alterações nas questões económicas, isto leva a que os estudantes universitários tenham mais responsabilidades, autonomia, adaptação à nova realidade, muitos dos estudantes têm dificuldade em se adaptar à grande mudança, isto pode levar a problemas ao nível da saúde e do bem-estar.
    Na minha opinião, esta unidade curricular foi muito pertinente e desafiante, no sentido de conciliar a teoria com a prática. A teoria e a prática estão interligadas, visto que, não aprendemos tudo na teoria ou tudo na prática, ou seja, precisamos das duas perspetivas para ter uma aprendizagem eficaz.
    Esta unidade curricular deu-me boas ferramentas para pôr as minhas habilidades práticas à prova e também permitiu para que eu pudesse adquirir mais competências no que diz respeito à observação, à entrevista, ao código deontológico, o mesmo exige que nós futuros sociólogos tenhamos o princípio de responsabilidade relativamente à sociedade ( pessoas, instituições e entre outros). Segundo a Associação Portuguesa de Sociologia (1992), os sociólogos devem exercer a sua profissão de acordo com os elevados padrões de competência profissional ao seu alcance. Os sociólogos devem ser muitos objetivos relativamente à análise da realidade social e ter um bom relacionamento com os atores sociais, se não houver uma relação de confiança, o trabalho do sociólogo será muito difícil. Também será importante a capacidade de não julgamento e empatia. Relativamente à recolha de informação, os sociólogos não devem o princípio de voluntariedade de fornecimento de informação por parte da população e instituições (Associação portuguesa de sociologia, 1992). Na recolha de informação, coloca-se a questão das diferenças de estatutos entre os sociólogos e pessoas e instituições que agregam os objetos de estudo. Os sociólogos não devem divulgar informação recolhida, visto que, as pessoas têm o direito à privacidade, à confidencialidade de informações e resultados e ao anonimato (Associação portuguesa de Sociologia,1992).

    Entrevista – Exercício 1
    A elaboração de um guião foi um trabalho muito minucioso, ou seja, tínhamos que saber o objetivo da entrevista, colocar as perguntas de forma correta e na altura adequada, para obtermos mais informação. A entrevista requer muito tempo para recolher informação. Após a entrevista, fizemos a transcrição da mesma, na minha opinião esta tarefa foi difícil, dado que, exigiu muita atenção e tempo.
    Observação direta – Exercício 2
    A observação é um procedimento de recolha de informação, através de órgãos sensoriais, que de forma intencional e no quadro de uma investigação científica, possibilita descrever a realidade (Costa, 2019).
    A realização da observação direta de uma atividade promotora de bem- estar que teve como intuito compreender de que modo as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem -estar se associam no quotidiano dos estudantes universitários. Estivemos a observar o espaço, sub-espaço, a protagonista, os gestos os movimentos, as interações, o vestuário, os sons , as cores e as emoções. Não foi uma tarefa fácil, visto que, consiste na visualização e registo de padrões do comportamento e também exige muita concentração. É uma boa ferramenta para recolher e cruzar informações através de vários instrumentos: registo e observação de dados, blocos de notas, máquina fotográfica, de filmagem e telemóvel.
    Análise de diversas entrevistas – Exercício 3
    Fez-se a comparação de várias entrevistas para ter a resposta de forma científica à questão que foi colocada no início do semestre. Foi utilizado um software de análise qualitativa de conteúdo NVIVO 12, confesso que desconhecia esta ferramenta, a mesma foi muito importante e facilitadora para a análise qualitativa para intra -casos. Este software consegue analisar as várias entrevistas e categorizá-las em várias dimensões: representações, fontes, perceções.
    Eu consegui perceber através dos resultados da análise de diversas entrevistas, os estudantes universitários têm diferentes perspetivas sobre o bem -estar, ou seja, têm diferentes definições , representações, fontes e perceções sobre o bem estar.
    Este semestre aprendi sobre a análise qualitativa, mas não podemos esquecer da análise quantitativa que também é importante porque também permite recolher dados através de questionários / inquéritos, ou seja, fornecem informações numéricas sobre o comportamento da pessoa, da instituições e entre outros e são adequadas para apurar opiniões e atitudes conscientes dos entrevistados, requer menos tempo e menos passíveis de erros de interpretação do que na análise qualitativa, a mesma tem com objetivo interpretar o fenómeno social através de entrevista e de observação, as mesmas foram utilizadas nesta unidade curricular.
    Contudo, quero agradecer à professora por me ter dado a oportunidade de entrar em contacto com o “terreno “, que foi um grande desafio, porque aprendi tanto e deu-me uma grande responsabilidade no sentido de encontrar o entrevistado e a pessoa para observação e cumprir o código deontológico. Consegui perceber melhor as minhas responsabilidades, os meus direitos e os meus deveres enquanto futuro sociólogo. Com esta aprendizagem será útil para o meu futuro profissional se voltar a fazer a investigação qualitativa.

    Associação Portuguesa de Sociologia. (1992). O Código deontológico.

    Costa, R. Miranda (2019). A recolha de dados: estratégias privilegiadas em investigação qualitativa. Moodle universidade de Évora

  16. No âmbito da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, nomeadamente acerca da investigação que levámos a cabo sinto que esta foi uma experiência proveitosa pois deu-nos a possibilidade de aprender e poder aplicar outros paradigmas e metodologias de análise de dados, sem ser numa perspetiva quantitativa. Assim sendo mostrou-nos como é também possível aceder aos dados e poder interpretá-los de outros forma sem ser aquela que ja estávamos habituados, tornando este processo uma descoberta e ao mesmo tempo de exploração de novas ferramentas. O primeiro passo da pesquisa foi definir qual o tema. Foi acordado que seria a “saúde e o bem estar“ onde pretendíamos verificar “Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”, de seguida construímos o guião de entrevista de acordo com os nossos objetivos e com as informações que pretendíamos obter. Posteriormente procedemos à aplicação da entrevista, que considero que foi outro momento marcante pois foi aí que se sinto que tornou ‘real’ através do contacto com o entrevistado e do nervosismo que sentimos na altura . Apesar disto houve também obstáculos durante a pesquisa e este foi um deles pois tivemos de repetir a mesma, com outro sujeito pois a anterior não possuía informações que considerássemos suficientes para avançar com a investigação.
    Aprendemos a utilizar ferramentas de apoio à análise qualitativa, que ajudaram por exemplo durante o processo complexo e moroso que foi a transcrição da entrevista onde utilizámos o software “Express Scribe Transcription Software”. A transcrição da entrevista foi um momento que necessitou de bastante concentração, para tornar o discurso escrito o mais aproximado possível daquilo que foram as narrativas da entrevista, com determinados cuidados metodológicos a ter em atenção, onde registámos desde as pausas ou enfâses que o entrevistado possuía no seu discurso. Numa das fases finais da investigação utilizamos o software Nvivo12 que auxiliou na organização e conexão dos dados que utilizamos o para o exercício 3 que se baseava na análise inter-casos.
    Outro momento de recolha de dados foi a fase de observação direta, onde pretendíamos observar e recolher informações acerca das práticas e fontes de bem estar sob a perspetiva de um estudante universitário e neste momento acordámos que iriamos observar a realização de uma prática física de um estudante e como esta contribuía para aquilo que o sujeito entende por bem-estar. Durante a observação utilizámos ferramentas que nos ajudassem no processo de recolha de dados como o registo fotográfico ou notas, onde podíamos registar acerca dos acontecimentos e do ambiente envolvente, demonstrando a utilização dos nossos sentidos, por exemplo a visão ao observar-mos aquilo que nos rodeia, observando os detalhes que normalmente nos escapam e possibilitando descrever o espaço físico, ou a audição onde conseguimos ouvir o significado das palavras juntamente com a nossa sensibilidade/criatividade e como isso contribui também para a analise e interpretação dos dados.
    Na fase de interpretação dos dados foi possível analisar quais os resultados dos dados que recolhemos, no sentido em que atribuímos significados seja às suas palavras ou as suas práticas do dia-a-dia e como isso se relaciona com a questão de partida assim como com os objetivos da investigação. Na U.C de Laboratório de Analise Qualitativa aprendemos como conseguimos interpretar os dados e a aceder a informações que nem sempre são explicitas, o que nos fez questionar os dados ao mesmo tempo que nos afastávamos de possíveis juízos de valor e preconceitos, complexificando toda esta experiência. Outro aspeto fundamental foi a utilização do Código Deontológico (Associação Portuguesa de Sociologia) que esteve presente durante toda a investigação, onde aprendemos a importância das questões de ética e nos comprometemos a manter a confidencialidade, anonimato e proteção das informações daqueles que se disponibilizaram para ser possível realizar a investigação
    Achei também interessante a fase de análise inter-casos onde foi possível contrastar a visão dos diferentes estudantes universitários acerca do conceito de bem-estar, como se inserem num contexto comum, contudo com perspetivas que por vezes bastante distintas.
    Outra reflexão que posso apresentar foi o contacto e o trabalho de campo que esta pesquisa envolveu, tirando-nos na nossa zona de conforto, sendo que o trabalho não podia ser realizado entre quatro paredes. Neste processo realço não só contacto que tivemos uns com os outros, por ser um trabalho de grupo onde nos encontrávamos para realizar as diversas fases da investigação ou nos de momentos de reflexão que permitia conciliar diversas perspetivas, , aumentando toda a dinâmica, mas também com a professora que nos forneceu as bases e diretrizes para podermos avançar em cada uma das fases, assim como com os entrevistados ou observados que se disponibilizaram e tornaram todo o processo ‘humanizado’.
    Na minha perspetiva, a realização desta pesquisa foi bem conseguida e transmitiu-me os conhecimentos que esperava obter nesta unidade curricular. Sinto também que aquilo que aprendemos foi e será importante no futuro, pois como estudantes de sociologia somos interessados não apenas por todo o trabalho teórico, mas verificar como se conjuga e aplica em situações ou contextos do dia-a-dia, suscitando a curiosidade para aquilo que é o trabalho de investigação.
    Évora, 13/06/19

  17. Trabalho no Caminho Pedonal e Outras Situações Interessantes ao Longo do Semestre de Análise Qualitativa:

    Só depois da Estação da CP é entramos na zona envolvente ao Bairro Garcia de Resende, propriamente na zona pedonal, ou seja onde se encontram pessoas, caminhadas e bicicleta.
    Com uma temperatura com cerca de 28º à sombra é foram tiradas cerca de 20 fotografias, mas só foram aproveitadas as consideradas mais pertinentes para a realização do trabalho de grupo.
    No entanto, entrei numa zona do caminho pedonal, envolta de um lado e do outro com um canavial denso, algo misterioso.
    Estava na proximidade da zona da Praceta Infante D. Henrique após passar por baixo da ponte no caminho pedonal. Passamos para outra zona: De um lado a Av. D. Leonor Fernandes, do outro o Bairro Senhora da Saúde e ao centro, o caminho pedonal.
    Foi aí que comecei a notar uma sensação de mexida, porque até então não havia pessoas. Uma para lá, outra para cá, uma a uma as pessoas cruzavam-se na sua azáfama do bem-estar desportivo.
    Sentia-se um odor adocicado, as flores do campo, um aroma bastante agradável, típico da primavera.
    De repente, avistei ao longe, uma utilizadora do caminho pedonal, da qual me aproximei com prudência para tirar mais uma fotografia, sem dar nas vistas, pois podia ser mal interpretado. Percorri a zona até ao Bairro das Nogueiras.
    Nesse bairro e na zona dos Álamos o aroma era outro, digamos a leitão assado e outras iguarias.
    Foi então o desfecho do trabalho, pois foi após vários quilómetros percorridos a pé que pudemos fazer uma descrição elucidativa dos sítios por onde passámos, determinantes para a construção do trabalho de grupo.
    Encontrei algumas dificuldades ao longo da realização do trabalho de grupo porque notei exigências que à partida não contava. Ter em conta o fator cognitivo e poder assimilar conhecimentos que até aqui não sabia que eram necessários. Também a relação de uns colegas com os outros. Aprender, exige aos alunos, no seu processo de aprendizagem, várias fases: Umas mais interessantes e compensadoras, mas outras, nem pensar! Por vezes a sensação de injustiça, gritante, como quando não se é compreendido, sendo preteridos por alguém que não tem tanta preparação. Os educandos devem também ser elucidados relativamente à própria formação, aos bens morais, ao que é bom, ao que é belo, para o bom desenvolvimento da sua personalidade e caráter. Os diferentes estádios de aprendizagem e formação pessoal dão-se com a ajuda de profissionais coerentes, com a noção da força da vontade, do espírito de sacrifício e das horas de estudo despendido para conseguir alcançar patamares mais elevados. A legitimidade com que se deve alcançar tais objetivos são perfeitamente óbvias. Ter em conta o papel que o aluno deve assumir na sala de aula, estar atento; E é muito importante que essas características sejam bem definidas e identificadas por todos. Quando o aluno precisa de orientação, o professor transforma-se num amigo perfeitamente interessado. Além disso, para o desempenho convincente dum trabalhador estudante, deve considerar três fatores importantes: O individual, o coletivo e a organização. Sem abusar do meu ponto de vista, o sucesso e o bem-estar escolar requerem horas de estudo que muitas vezes não são devidamente reconhecidas e valorizadas. Por vezes, verificam-se, dificuldades que estão associadas a conflitos alheios. Por exemplo, problemas de aprendizagem, hereditariedade, educação, entre outros; Penso que devem ter programas de educação específicos; Além disso, outros problemas de nível cognitivo devem ter assistência gratuita. Todas as dificuldades podem ser ultrapassadas, através de uma boa articulação organizacional do ensino. Do que nos norteia, ou através de linguagem escrita e falada de forma convincente e objetiva, de forma a não causar transtornos ou maus entendidos que só nos prejudicam. Os colegas do nosso curso têm contato direto, diário com o estudo, amigos, além da feliz possibilidade, caso necessitem, do apoio dos vários professores que temos tido o privilégio de contactar. Como tal, devemos ter esse fator em consideração, tendo-os como sendo nossos amigos. Também devemos observar que para mostrar que temos valor, não chega e não convence, nem os menos esclarecidos ou iluminados, estar a denegrir e a desprestigiar os honestos e valorosos para atingir os objetivos a que se tinha proposto anteriormente. Não somos perfeitos, efetivamente, no entanto não queremos nada que não nos pertença, por direito ou por valor próprio. Todos temos as nossas preferências. No entanto essas diferenças não podem fazer que venhamos a perder a razão e prejudicar injustamente os inocentes só para beneficiar de forma abusiva os que pensamos serem melhores do que nós. Nesta já longa reflexão e descrição de factos, devo afirmar que gostei da forma do planeamento que foi assumido nas nossas aulas de Laboratório de Análise Qualitativa. Penso que os colegas também gostaram muito. Desejamos com inteiro agrado ter novamente como Professora a Senhora Doutora Rosalina (que nos orientou ao longo destes meses), no próximo ano letivo. Desejo também aos meus colegas e aos outros senhores professores, votos de realização pessoal e profissional. Para concluir, visto termos em conta a estrutura do trabalho não me ocorre mais nenhum comentário relevante. No entanto devo-me na obrigação de sugerir, visto serem de extrema utilidade, ações extracurriculares por serem de suma importância informativa e atual sobre a globalização. Assunto que nos envolve a todos de uma forma perfeitamente abrangente e que penso ser de importância primordial para as próximas décadas.

  18. A Saúde e o Bem-estar Universitário: Reflexões sobre os exercícios feitos para tal estudo

    Nunca um trabalho académico exigiu tanto de mim como os exercícios 1, 2 e 3 de Laboratório de Análise Qualitativa, neste 2º semestre do 2º ano. Embora tenha realizado uma entrevista no 1º semestre, no âmbito da unidade curricular de Sociologia da Família, esta não se compara com os requerimentos que estes três exercícios impuseram.
    O tema destes exercícios ficou decidido pela docente e pela turma, ficando determinado como o bem-estar nos estudantes da Universidade de Évora. Seria então necessário abordar estes estudantes com base nos pré-requisitos estipulados: não ser do curso de Sociologia, não ser alguém próximo de nós e ser estudante da Universidade de Évora.
    A tarefa do exercício 1 foi a mais complicada pois requereu que saísse da minha “zona de conforto” e procurasse por um individuo que não conhecesse, no âmbito de este fornecer o seu tempo para uma entrevista, planeada para pelo menos meia-hora. Assim, após explorar a minha rede de contactos para encontrar alguém que estivesse disponível ou soubesse de alguém que estivesse.
    Depois do contacto, e o embaraço ser posto de lado, criou-se um ambiente de amizade entre o entrevistado, Eduardo, no qual acordamos tratar por Edu, e eu. Edu que se mostrou cooperante para a realização da entrevista, disponibilizou mesmo a sua casa para a esta. No entanto, é de referir que o entrevistado não correspondeu aos pré-requisitos estipulados pelo exercício, um erro por parte dos elementos do grupo, em especial, eu. Um dos principais fatores que contribui para a suavidade e consistência da entrevista foi o facto de que as perguntas já haviam sido programas pela docente da unidade curricular. Sem esta, indo apenas com uma orientação do tema e pondo as perguntas conforme pensasse nelas, daria à entrevista e, consequentemente, ao resto do trabalho, uma série de pensamentos e respostas sem muito ou qualquer sentido e nexo.
    O exercício 1 requereu, como já referido a realização desta entrevista, mas foi ainda necessário a sua transcrição verbatim e a realização do relatório e análise dos dados, os quais foram feitos com a ajuda do programa Express Scribe, a primeira vez que o utilizei.
    Feita a realização do exercício 1, foi proposto um segundo exercício, desta vez no âmbito de planear uma observação direta do mesmo estudante ou de um diferente. Esta observação foi direcionada ao mesmo estudante do exercício 1, que após saber da existência deste, se mostrou mais do que disponível para ser o sujeito observado.
    A observação decorreu em dois dias, um durante a sexta e o outro durante o o sábado. Na sexta-feira, observei a rotina diária de Edu e foi de facto menos constrangedor do que o primeiro exercício, visto já o ter conhecido e à sua família. A observação durante este período foi mais profissional, vendo e documentado mais informação do que no dia seguinte. Digo isto pois no dia seguinte, sábado, observei Edu durante um jantar de aniversário de um dos seus amigos, o qual me convidou também. No entanto, dada a natureza do evento e após algum encorajamento dos restantes convidados, acabei por, sem consciência, exagerar nas bebidas alcoólicas, e deixar muita informação e oportunidades de informação passar sem me aperceber. No entanto, algumas informações foram recolhidas, sendo estas referentes a Edu e aos perigos da observação direta que os investigadores estão sujeitos, o caso de observar e interagir com demasiada imersão na investigação.
    Após várias horas de observação, a análise dos dados recolhidos e uma elaboração de um guião e relatório terminamos o exercício 2. Este foi o que demorou mais tempo a realizar devido a ter de organizar vários dados recolhidos num longo período de horas, 6:30 na sexta e 8 horas no sábado.
    Feitos os dois primeiros exercícios, passámos à realização do terceiro, o mais abundante em análise comparativa. Isto porque, foi necessário escolher duas outras entrevistas no sentido de comparar os seus resultados com os nossos dados, da nossa entrevista. Para tal, escolhemos as duas entrevistas que mais nos agradaram, tanto em conteúdo como em estrutura. A análise manual comparativa destas seria algo moroso e necessitaria de mais tempo, levando-nos assim à recomendação da docente para análise feita no programa NVivo12 Pro, se bem que, recomendação não é a palavra certa, para este programa. Na verdade, este programa foi vital para a organização da informação, mesmo esta englobando apenas um dos bem-estares, no nosso caso o económico. Com mais informação de natureza qualitativa, vimos o quão importante será este programa em projetos futuros, um programa que até a um nível profissional será necessário.
    Os resultados caíram um pouco dentro das nossas expetativas: embora as respostas sejam similares entre os entrevistados, estes apresentam certas diferenças que permitem uma conclusão diferente para cada um, com base nas suas visões sobre o que é o bem-estar. No nosso caso, escolhemos focar a comparação no bem-estar económico, visto que este é o que mais influencia os estudantes universitários, e os seus outros tipos de bem-estar. Se estivermos bem economicamente podemos praticar certas atividades que levam ao nosso bem-estar físico, mental, social e académico.
    Com base nestes exercícios, foi-nos requisitado um último esforço: a criação de um vídeo de aproximadamente cinco minutos, que resumisse todo o processo destes. Este mostrou-se o mais problemático em termos técnicos, pois devido à minha inexperiência com trabalhos em suporte vídeo, encontrei algumas dificuldades, quer na sua elaboração, quer na sua apresentação. Não só isto, a tarefa de selecionar e organizar a informação posta nesta apresentação foi trabalhosa, devido ao facto de que é extremamente difícil expor os conteúdos do trabalho de todo um semestre em apenas cinco minutos. Fora estes problemas, creio ter conseguido responder aos critérios do tema proposto em todos estes projetos: as representações, fontes, práticas e percepções dos universitários face à saúde e bem-estar.
    Para concluir, acho necessário falar da possibilidade de melhorar. Como já dito no início, estes trabalhos foram algo que nunca havia experienciado em tão larga escala e como tal cometi erros, grandes e pequenos, devido à minha inexperiência. No entanto, foi mesmo por isto que considero estes exercícios de grande importância, em especial para aqueles que planejam um futuro profissional dentro do ramo da Sociologia. Desde a adquirição de experiência em campo, como a análise de dados qualitativa e a utilização de programas software para esta mesma. É importante referir também que este projeto foi importante para um crescimento a nível pessoal, pois necessitou que saísse da minha zona de conforto e explorar novas relações com novas pessoas, algo que servirá no futuro, tanto a um nível profissional como a um nível pessoal.
    Finalmente, agradeço à docente pelo seu acompanhamento durante este projeto e aos meus colegas de turma, que também ofereceram ajuda na realização do mesmo.

  19. No âmbito da Unidade Curricular (UC) Laboratório de Análise Qualitativa (LAQL), foi proposta aos discentes, a elaboração de exercícios, distintos entre si, mas que se complementam, pois sem eles não nos seria possível atingir o objetivo geral da UC que consiste na “Aprendizagem dos fundamentos teórico-epistemológicos que alicerçam a recolha sistemática, tratamento, análise e interpretação qualitativa de dados com vista a uma compreensão empiricamente sustentada da realidade social e, de modo complementar e transversal, o aprofundamento das competências metodológicas de base necessárias à reflexão crítica sobre a natureza, contextos de recolha/acesso e limitações dos dados em presença”.
    O tema definido, “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”, permitiu que, enquanto investigador, recolhe-se diversos dados sobre as perceções dos atores, mantendo sempre os dados na sua forma original.
    Sendo um tema bastante interessante e premente, na medida em que, cada vez mais os cidadãos, e em particular os estudantes, se preocupam com o seu bem estar, seja ele na vertente física, social, económica ou mental/psicológica, permitiu efetuar a análise interpretativa, pela compreensão das diversas perspetivas, entre os diversos atores intervenientes nos exercícios.
    A partir deste tema, foi assim estabelecida a necessidade da concretização de 3 (três) exercícios, os quais abrangeriam diferentes fases da análise qualitativa.
    Foi definido um primeiro exercício, que para a sua elaboração, eram necessárias executar 6 tarefas que passariam pela selecção de um indivíduo, disponível para ser entrevistado, a realização de uma entrevista semi-directiva (anonimizada e individual), aplicada mediante adaptação do guião disponibilizado pela docente e com registo áudio, a sua transcrição verbatim (com recurso a software Express Scribe Transcription Software), a biografia do entrevistado e elaboração de um relatório escrito com apresentação de resultados:
    Durante a elaboração deste 1.º exercício algumas dificuldades foram surgindo, nomeadamente quanto à escolha do indivíduo a entrevistar, considerando que a amostragem deveria ser por inclusão de um entrevistado(a) que “fosse estudante universitário na Universidade de Évora (Portugal), excluindo apenas indivíduos inscritos, à data, no curso de sociologia na Universidade de Évora ou que partilhassem residência ou pertencem-se à rede familiar, amical próxima de qualquer elemento do grupo de trabalho”. O recrutamento foi assim intencional.
    Sendo um procedimento essencialmente aberto; a existência de uma interação face-to-face, entre entrevistado e entrevistador; vários foram os procedimentos que tiveram de ser adotados, pelo que houve a necessidade de definir a metodologia da entrevista, com uma questão de partida: “quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”, procurando-se distinguir as diferentes representações sociais e perceções que os estudantes universitários têm acerca do (seu) bem-estar, identificar e caracterizar as principais fontes e práticas adotadas pelos estudantes universitários tendentes à promoção/maximização do seu bem-estar e, por fim, compreender o quotidiano académico como promotor/inibidor de perceção de bem-estar entre os estudantes universitários.
    Numa segunda fase da análise qualitativa, foi proposto pela docente a realização de uma observação direta (Exercício #2), tendo por base a questão de partida definida no exercício #1. Esta observação foi efetuada por amostragem por caso único, permitindo uma análise intensiva, de um ator em concreto, pertencente a um meio institucional específico (UÉ).
    Por conseguinte, este tipo de amostragem, tem a vantagem de permitir uma descrição pormenorizada e profunda, detalhando os elementos envolventes e procurando a desocultação dos distintos elementos “ocultos”. Porém, este tipo de amostragem, obriga a uma reflexão justificada e pertinente do caso, obrigando ainda a um trabalho de campo, por vezes difícil de coordenar, pois envolveu os 3 elementos do Grupo mais a entrevistada.
    Com efeito, das observações efetuadas pelos elementos do grupo, assim como dos dados extraídos da entrevista efetuada ao sujeito observado, pude concluir que a atividade física desempenha um papel preponderante na qualidade da saúde física e mental, no combate ao stress, com repercussões na qualidade de vida no trabalho e no aproveitamento escolar, aumentando a produtividade e os resultados, em ambas as situações.
    Por último, foi proposta a realização do exercício #3, o qual consistia na análise inter-casos, da entrevista efetuada pelo meu Grupo, com mais duas entrevistas obtidas a partir das entrevistas, por nós selecionadas, efetuadas no exercício #1 pelos restantes grupos da turma.
    Esta análise inter-casos, possibilitou extrair ilações, comparando as diferentes perspetivas dos distintos aspetos de bem-estar, a partir de dispares perfis sócio-demográficos: Bem-estar físico; bem-estar económico; bem-estar Emocional/ Psicológico/ Mental; bem-estar social.
    Para melhor análise comparativa, recorreu-se ao software de análise qualitativa de conteúdo “NVIVO12”, permitindo assim a obtenção de um mapa do projeto, uma árvore de categorias e sub-categorias e um relatório do resumo da codificação por nó.
    Relativamente aos resultados da investigação qualitativa obtidos, permite concluir que, da análise inter-casos, os estudantes da Universidade de Évora, para cada uma das sub-categorias de bem-estar, as opiniões ora convergem ora divergem, pelo que há:
    Convergência:
    Bem-estar económico:
    “Entre os entrevistados, não se verificam grandes distinções naquilo que consideram ser o bem-estar económico”.
    Bem-estar social:
    “Para os 3 entrevistados bem-estar social corresponde às interações estabelecidas com os restantes atores”.
    Divergência:
    Bem-estar físico:
    “As diferenças sobre o conceito de bem-estar físico, são distintas entre os 3 entrevistados”.
    Bem-estar emocional/psicológico/mental:
    “Comparando as opiniões dos entrevistados, estas diferem. Com efeito se para um é a paz interior, para outro é não estar triste, enquanto para a entrevistada do G_10 é ter a capacidade de dirigir as suas coisas”.
    A complexidade de cada um dos três exercícios que se realizaram, permitiu concluir que o sociólogo, no papel de investigador, não pode estar “preso” a preconceitos e juízos de valor, pois as conclusões das análises efetuadas serão alteradas se não nos conseguirmos abstrair dos “pré-conceitos”.
    O saber escolher a amostra, aplicar corretamente os conhecimentos teóricos apreendidos, estabelecer uma correta metodologia, a abstração dos juízos de valor, o recurso aos meios tecnológicos disponíveis para ajudar na transcrição e análise de resultados, entre outros, facilitarão a atividade do sociólogo, enquanto investigador, na prossecução dos objetivos definidos e alcance dos melhores resultados.
    Esta UC permitiu-me assim atingir o objetivo geral, que passava pela “aprendizagem dos fundamentos teórico-epistemológicos que alicerçam a recolha sistemática, tratamento, análise e interpretação qualitativa de dados com vista a uma compreensão empiricamente sustentada da realidade social e, de modo complementar e transversal, o aprofundamento das competências metodológicas de base necessárias à reflexão crítica sobre a natureza, contextos de recolha/acesso e limitações dos dados em presença”.
    Não tenho qualquer dúvida que, esta UC permitirá que eu (e certamente todos os restantes colegas da turma) alcancemos o almejado desejo de ser um sociólogo capaz de transformar a «“matéria-prima”(…) num produto novo (…)», na qual utilizaremos os meios disponíveis “(conceitos, teorias, métodos), em determinadas condições de produção (materiais e sociais)”.
    A realização da apresentação pública dos exercícios efetuados pelos grupos veio dar a possibilidade aos alunos (que nunca tinham efetuado apresentações públicas e/ou que nunca tiveram a oportunidade de mostrar publicamente os seus trabalhos) de ver reconhecido, por todos os pares e ainda por elementos externos à turma e à UÉ, todo o trabalho desenvolvido ao longo de um semestre.
    Como agradecimentos não poderão de deixar de ser reconhecidos e citando o parafraseado na apresentação pública realizada em 12 de junho de 2018, os seguintes elementos:
    “À Professora pela forma dedicada, empenhada e profissional com que nos transmitiu os seus saberes”;
    “Aos entrevistados, nomeadamente à “Célia” que se prontificou a participar na entrevista e, posteriormente, na observação direta”;
    “A todos os restantes elementos do curso de sociologia que, de forma desinteressada, nos ajudaram na partilha de informação e conhecimentos”.

  20. Diário de campo e experiências nesta Unidade Curricular
    Ao longo do 4º semestre de Sociologia no ano letivo de 2018/19, na Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa foi-nos proposto a realização de um diário de campo. Este diário consiste numa reflexão crítica e fundamentada sobre questões de natureza teórica, epistemológica, metodológica e ética que nos foram colocadas no decorrer da experiência de investigação desenvolvida no âmbito desta Unidade Curricular. Na cadeira de Laboratório de Análise Qualitativa, tivemos uma experiência de investigação, em que tínhamos também de fazer um diário de campo, com o intuito de refletirmos sobre esta nova experiência de investigação e o que, significou para nós. A investigação insere-se num estudo de investigação sobre a “Saúde e bem-estar nos Estudantes Universitários – Olhares a partir de dentro”. Esta foi uma experiência na minha opinião muito enriquecedora, pois no curso de Sociologia as cadeiras são muito teóricas e nesta cadeira conseguimos sair da nossa zona de conforto, saindo da teórica para a prática, para fazer trabalho de campo.
    Desde que entrei no curso de Sociologia que esperava pela possibilidade de passar da teórica para a prática, ou seja, ter trabalho de campo. E com este trabalho de investigação tive essa oportunidade. Confesso que no início tive um pouco de receio, mas depois de começar posso dizer com toda a convicção que foi um desafio muito enriquecedor e interessante. Posso dizer, também que o desafio de passar da teórica para a prática, foi ultrapassado com sucesso na minha opinião.
    O estudo de investigação sobre a “Saúde e bem-estar nos Estudantes Universitários – Olhares a partir de dentro”, pretendia responder à seguinte pergunta de partida, que era “Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”. Este estudo de investigação iria dividir-se por três exercícios realizados em grupo, o primeiro era uma entrevista, o segundo uma observação direta e o terceiro e último uma análise de dados. O tema deste estudo, foi o bem-estar entre os estudantes universitários e foi selecionado de comum acordo entre a professora e os alunos desta Unidade Curricular, por ser um tema que diretamente nos dizia respeito e é nos dias de hoje particularmente interessante, pois cada vez mais as pessoas preocupam-se com o seu bem-estar. Estes exercícios foram desenhados para nos permitir, uma aprendizagem dos fundamentos teórico-epistemológicos que alicerçam a recolha sistemática, tratamento, análise e interpretação qualitativa de dados com vista a uma compreensão empiricamente sustentada da realidade social e, de modo complementar e transversal, o aprofundamento das competências metodológicas de base necessárias à reflexão crítica sobre a natureza, contextos de recolha/acesso e limitações dos dados em presença.
    Na primeira fase tivemos de realizar uma entrevista a um estudante universitário, relativamente às várias dimensões do bem-estar, em que os critérios de inclusão fossem que o entrevistado fosse estudante da Universidade de Évora, mas não podiam pertencer à rede amical próxima de qualquer elemento do grupo. No meu grupo fui eu que realizei a entrevista, em que tínhamos um guião disponibilizado pela professora, mas era uma entrevista semiestruturada, isto é, caracterizada pelo seu grau de liberdade. Eu tinha o guião, com perguntas abertas e fachadas, e eu tinha a possibilidade de improvisar e reconduzir a entrevista aos meus pontos de interesse. A minha entrevista, com a entrevistada na minha opinião correu bastante bem, devido ao grau de liberdade e por ser uma conversa informal, também tirou um bocadinho de “pressão” ao entrevistado e a conversa desenrolou, apesar do início estarmos um bocadinho nervosas, pois tanto eu, como a entrevistada era a primeira vez que estávamos a fazer algo do género. A entrevista teve uma duração mais ou menos de 30 minutos e foi gravado através do meu telemóvel e ficamos com uma informação muito rica para realização do primeiro exercício. Posteriormente, tivemos de realizar a transcrição verbatim da entrevista, que foi uma tarefa bastante trabalhosa e demorosa, porque requer uma atenção muito grande e por vezes não percebemos bem o que é dito, e temos que estar a voltar atrás. De seguida, realizámos um relatório, que foi o primeiro exercício, e senti alguma dificuldade, devido a ter que relatar todo o processo da entrevista e interpretar a informação recolhida na entrevista.
    Numa segunda fase, realizámos uma observação direta, em que nos debatemos com outra dificuldade que foi arranjar outro estudante para a observação, pois a nossa entrevistada, já não se encontrava em Évora, devido a um estágio que estava a fazer fora. Através de um amigo de um elemento do grupo, encontrámos um aluno para realizar a observação, em que teve de pedir uma autorização prévia ao mestre para podermos assistir ao treino. Mas debatemo-nos com outra dificuldade, na compatibilidade de horários com o observado pois, na semana em que nós queríamos realizar a observação, os treinos eram à porta fechada porque iriam ter combates e tivemos de realizar na semana seguinte. A observação direta consistia em observamos um aluno da Universidade de Évora, a realizar uma atividade de bem-estar, que neste caso foi uma atividade de bem-estar físico, em que o observado praticava Kung Fu. Para a obtenção de dados recorremos, à câmara do telemóvel para filmar e gravar e a um bloco de notas. Realizámos um segundo relatório no qual fizemos uma análise e interpretação da informação obtida através da observação. No meu ver, esta foi a fase do trabalho que eu mais gostei de fazer, pois foi a fase mais prática que realizámos e fiquei também bastante motivada para começar a praticar esta atividade, achei muito interessante e nunca tinha visto ninguém a praticá-la.
    Na fase seguinte, tivemos de escolher duas transcrições de entrevistas de outros grupos de trabalho, disponibilizadas pela docente, e juntamente com a nossa entrevista, analisar as entrevistas, através do NVivo 12. O NVivo 12, é um software de análise qualitativa de conteúdo, no qual inseríamos os dados e este facilitava a análise e o trabalho de investigação, pois é possível a análise de vários tipos de dados não estruturados. Nesta última etapa, eu tive algumas dificuldades, pois não sabia bem como funcionava o software, mas facilitou a comparação de dados neste último exercício.
    No meu ver, este foi um trabalho desafiante, visto que, me obrigou a sair da minha zona de conforto, passando da parte teórica, para a prática, embora seja sempre acompanhado da parte teórica. Mas, foi um trabalho muito enriquecedor para mim, pois adorei fazer trabalho de campo e foi muito interessante todo o seu procedimento. Para mim, a Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, é uma UC muito rica, mas difícil de definir, uma vez que compreende opiniões e emoções dos indivíduos e interpreta o comportamento destes.

  21. No âmbito da unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativae no decorrer de experiência de uma reflexão sobre a observação .Portanto este trabalho tem por objetivo, fazer uma reflexão sobre a observação do nosso segundo exercício. O observado era conhecido de uma pessoa da nossa rede de contactos. E a partir daí essa pessoa entrou em contacto com ele e combinámos e marcámos com ele a data, a hora e o local do encontro. Portanto, encontramo-nos com o Alexandre no dia 1 de maio de 2019, pelas 14h até às 16h e 30 minutos no CLAV (Colegio Luis Antonio Verney). Sentamo-nos em baixo da sombra de uma árvore e conhecemo-nos uns aos outros. Ele começou por nos dizer o nome e o curso, portanto o seu nome do pseudónimo é Alexandre ele está a tirar o curso da biologia humana na Universidade de Évora. E logo depois, nós os quatro iniciámos a nossa observação. Em primeiro, a minha colega (V. Carreira) deu-lhe a declaração para o Alexandre assinar e depois de assinar, a V. Carreira fez algumas perguntas em relação ao nosso trabalho do bem-estar, portanto para ele bem-estar “é o algo que nos faz feliz, faz as pessoas estarem bem, ou seja, confortável, por exemplo, neste momento estou a tirar o curso da biologia humana, mas eu também toco saxofone, porque também contribui para do bem-estar e cada um de nós temos um gosto próprio, que nos faz feliz. Neste momento, tenho aula com os miúdos de 9º ano do ensino secundário. E depois de ele responder a todas as perguntas, fomos para casa dele, porque ele não trouxe o saxofone, quando ele veio para o Verney. Portanto, quando nós chegámos a casa numa pátio dele e ele convidou nos para sentarmos, e ele foi diretamente para o quarto levar o saxofone. Quando ele chegou com o Saxofone, começou a tocar. Em primeiro ele aqueceu e treinou a mão e a boca, principalmente os lábios e, quando ele começou a tocar, respirou muito para ter mais fôlego. E a partir daí, nós os três dividimos as tarefas por cada um de nós, portanto quando ele começou a tocar o saxofone, a minha colega (V. Carreira) tirou algumas notas e a (M. I. Freire) gravou. Quando ele começou a tocar, eu comecei a tirar as fotografias e quando eu comecei a tirar, eu tinha cuidado para não incluir o rosto da pessoa. Depois de acabar, de tocar, ele foi buscar as suas roupas, que usa, para tocar num concerto. Disse, que escolhe as roupas com calça preta e com camisa branca. Depois disto, ele fez uma pergunta em geral para nós e disse, vocês sabem, porque é que escolho esta cor? Nós acabamos por não conseguirmos responder, e ele acabou por nos responder, que escolho este cor que é preto e branco porque para mim e um cor que eu gosto tanto, ou seja, vesto o preto porque sento muito confortável nos concertos para que as pessoas não estarem fazer comentários na roupa, e normalmente uso o para um concerto para que as pessoas não se concentra a roupa que estou a vestir para não fazerem comentários e a parte do branco se tocando um banda harmónica.
    Portanto achei que foi muito bom e muito interessante de fazer parte deste grupo para fazer um pequena observação ao longo do desta entrevista, e enquanto construímos os dados colhidos da minha observação e assim sendo para que possa ter mais aumentar as minhas capacidades.

  22. Laboratório de Análise Qualitativa aos olhos de uma aprendiz

    Desde o primeiro ano de Universidade, o primeiro semestre, que fui confrontada com a quantidade vasta de metodologias a que um sociólogo pode decorrer para a feitura de uma investigação, mas só no segundo ano de Universidade, no quarto semestre, tive a oportunidade de realmente trabalhar no campo e aprofundar mais estas metodologias.
    Primeiramente, foi realizada a entrevista e mais tarde a transcrição da mesma. Não fazia ideia do que esperar, uma vez que muita gente falava que não ia ser fácil e que iria levar horas. No entanto, como a transcrição foi feita em grupo o trabalho estava dividido. À medida que comecei a fazer a transcrição deparei-me com dúvidas no que dizia respeito à pontuação que seria adequada usar para que está fica-se percetível e transcrita de forma correta, mas com a disponibilidade dos colegas de grupo e da professora tudo se tornou mais fácil. Apesar deste contratempo, à medida que ia realizando a entrevista apercebi-me que era um trabalho interessante pois existiam partes que não me tinha dado conta logo à primeira vez que ouvi a entrevista, e com a transcrição consigo perceber melhor o que estava nas entrelinhas que o entrevistado dizia.
    Depois da transcrição realizada, passámos para a fase de análise da mesma. Para mim, o mais difícil foi apenas analisar o que ali está, sem entrar em juízos de valor e dizer se está certo ou errado, se devia ser desta forma ou de outra forma, se o entrevistado estava correto. No entanto, aprendi a olhar para as situações em análise de uma forma que nunca tinha olhado. Comecei a conseguir observar e interpretar apenas o que estava a acontecer, sem ditar certos ou errados. E nesse sentido, este exercício foi muito importante para mim, ensinou-me algo que tinha dificuldade em fazer, mas que é fundamental para uma boa investigação e análise. O ser neutro.
    No exercício dois, foi-nos dada a tarefa de fazer observação direta, ou seja, no campo. Esta envolveu mais burocracia, pois como fiz a observação num espaço público, exigiu que pedisse autorização. Esta autorização foi concebida, no entanto, só foi possível tirar fotografias e notas, que não diminuiu a riqueza da informação. Este exercício dois, foi muito gratificante para mim, pois para além de conseguirmos retirar muita informação em profundidade, é muito gratificamente trabalhar diretamente com as pessoas que estão envolvidas, mais de perto. Observar em bruto e só depois analisar.
    Por fim, a realização do exercício três, para mim foi a mais complexa. Em grupo, escolhemos mais duas entrevistas para analisar, ou seja, três entrevistas para análise. A professora sugeriu que usássemos o programa NVivo12, de modo a termos uma maior organização das entrevistas e tudo esquematizado. Para mim, em relação ao programa, o mais difícil foi o processo de colocar toda a informação no programa, mas que nos foi muito útil. A tecnologia é mesmo uma grande ajuda.
    Por fim, foi feita a análise das três entrevistas, mas que como já estava a informação toda inserida no programa, foi feita de forma mais facilitada. A professora, deu-nos conhecimento de inúmeras coisas que se podem fazer no NVivo12, como nuvens de palavras, o relatório por nós (são as categorias e subcategorias), os vários tipos de mapas, como por exemplo, o mapa de projeto que foi utilizado para o trabalho.
    No meu ponto de vista, uma das coisas mais complexas nos trabalhos que faço e que certamente farei, é deixar os juízos de valor de lado, e este trabalho ajudou-me muito nesse sentido. Pude ter a noção daquilo que um sociólogo tem de fazer e a forma como tem de trabalhar. Se exercermos o mínimo de juízos de valor numa investigação os resultados podem ser totalmente diferentes do que deveriam ser, ou seja, vai dar origem a resultados enviesados. Afinal de contas, somos humanos, mas como sociólogos o nosso trabalho é muito complexo nesse sentido; o facto de por vezes abordarmos temas que nos são “queridos” e outros temas que somos completamente contra, mas que ainda assim temos de ser neutros.
    Com a unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, comecei a ter uma perspetiva sobre o trabalho que é feito pelo sociólogo, a forma como o seu papel é desempenhado. É necessário saber “lidar” com os indivíduos e perceber o seu ritmo. Aprendi também a estruturar uma investigação, a colocar em prática essa estrutura e que todos os passos dessa estrutura são fulcrais para os resultados da investigação. Consegui também, desenvolver competências no que diz respeito ao manuseamento dos programas utilizados. No que diz respeito ao programa para a transcrição da entrevista, o Express Scribe Transcription Software. Neste programa, o trabalho que foi desenvolvido foi na área do som. Podíamos aumentar ou diminuir a velocidade da entrevista e também fazer lá a transcrição. Já o programa NVivo12 foi um pouco mais complexo, pois era necessário colocar lá toda a informação. No entanto, como no meu grupo de trabalho fiquei responsável mais pela área do mapa de projeto e do relatório não trabalhei diretamente em contacto com a zona de colocar a informação, mas ainda assim, consegui desenvolver competências para tal e certamente irei usar este programa no futuro.
    Para finalizar, quero salientar que apesar de este trabalho ter sido complexo no que diz respeito ao facto de nunca ter feito algo deste género, foi muito gratificante perceber a quantidade de aprendizagens que absorvi. Obrigou-me também a começar a organizar o meu tempo de outra forma, uma vez que este exigiu algum trabalho e tempo.
    É também necessário dar os parabéns à professora Rosalina Costa, devido ao tempo disponibilizado para ajudar no que era necessário e os conselhos que deu de modo a melhorar o trabalho.
    Em suma, esta cadeira foi de facto uma preparação para uma futura tese ou até mesmo uma investigação futura que possa vir a realizar, no sentido em que fiquei com boas bases e noção do que uma investigação bem realizada e sem enviesamentos dos resultados, necessita.

  23. Diário de campo – A experiência em Laboratório de análise qualitativa

    Foi perante a unidade curricular Laboratório de análise qualitativa, do curso de Sociologia no ano letivo de 2018/2019 na Universidade de Évora que tive a oportunidade de integrar uma investigação qualitativa orientada pela docente, Rosalina Costa. É uma unidade curricular teórico-prática de bastante relevância e importância neste que é o caminho para um futuro Sociólogo. Inicialmente, quando a docente revelou todo o processo de investigação e análise que teria de ser realizado pensei ser algo intangível devido ao curto tempo que temos no semestre para a sua realização e devido à dificuldade que aparentava transmitir mas, com trabalho e esforço de equipa (dado que tivemos de criar um grupo de trabalho), ajuda e disponibilidade da docente e de colegas transcendentes ao grupo criado tudo se conseguiu e se tornou possível. Pois bem, no inicio do semestre, na apresentação do plano da unidade curricular, foi revelado que mais de metade da nota teria valor nesta investigação qualitativa, explicando de seguida o que dela seria exigida. Foi apresentado em aula um tema sugerido pela professora, que em concordância com a turma, ficou o escolhido – o “Bem-estar” – não o bem-estar em geral mas sim o bem-estar nos estudantes, na vida universitária, o que entendiam sobre esse assunto, se a universidade era algo promotor ou inibidor do bem-estar, observando mais aprofundadamente quatro vertentes: o bem-estar social, bem-estar físico, bem-estar económico e bem-estar emocional/psicológico/mental. Tudo isto levou à criação do título – “Saúde e Bem-estar entre os estudantes: olhares a partir de dentro” e de uma questão de partida que acompanhou cada processo desta investigação – “Quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?”. Foi uma investigação dividida em 3 exercícios – uma entrevista, uma observação direta e uma análise inter-casos. Um dos pontos fundamentais que nos acompanhou durante toda a investigação foi o seguimento do código deontológico e a introdução ao chamado sigilo profissional aquando da efetuação da entrevista e da observação direta. Esta investigação teve como principal objetivo uma aprendizagem de fundamentos teórico-espistemológicos com base na recolha, tratamento e interpretação qualitativa dos dados adquiridos.
    Uma vez, já sabendo tudo o que era necessário para dar inicio à investigação estava dado o tiro de partida. No primeiro exercício – A entrevista – foi procedido à procura de um estudante universitário. Existiam algumas restrições, como o ser obrigatoriamente aluno da Universidade de Évora e excluindo os alunos à data inscritos no curso de Sociologia, que partilhassem residência ou pertença à rede familiar/amical próxima do grupo de trabalho. Encontrado o entrevistado, estudante da Universidade de Évora a frequentar o primeiro ano do curso de Geologia, procedemos à entrevista, qual eu não pude estar presente por motivos pessoais e falta de compatibilidade nos horários a que o entrevistado podia. A entrevista foi gravada e, o áudio obtido, entregue à docente para que esta desse o seu parecer positivo para o avanço da transcrição. A transcrição foi efetuada e submetida e demos então inicio à elaboração do relatório, a parte final do primeiro exercício. Nesse relatório especificámos a metodologia onde mais concretamente descrevemos o tema, questão de partida, objetivos, modelo de análise, problematização, conceptualização, operacionalização; recolha de dados com o tipo de amostra, critérios de inclusão e procedimento para o recrutamento, a técnica de análise de dados e observação ética. Apresentamos também a análise de dados e apresentação de resultados com a apresentação e biografia do entrevistado.
    No segundo exercício – a observação direta – procurámos um outro estudante com as mesmas condicionantes do entrevistado do exercício anterior. Dirigimos-nos ao espaço combinado, que foi a casa do observado, com o intuito de presenciar um bem-estar à sua escolha, que foi o bem-estar emocional/psicológico/mental, tocando um instrumento, o baixo. A observação teve como base um guião que foi devidamente preenchido e enriquecido com fotografias e vídeos. Posteriormente, foi novamente elaborado um relatório para dar finalidade ao exercício dois. Neste relatório, foi mais uma vez descrito a metodologia com o tema, questão de partida e objetivos, recolha, tratamento e análise de dados complementando com a planificação, contactos e preparação prévia ao trabalho, procedimento de recolha e análise de dados seguido da interpretação de resultados.
    Por fim, no terceiro exercício – análise inter-casos – tivemos de efetuar a escolha de duas outras entrevistas, realizadas por colegas de turma e disponibilizadas pela docente na plataforma da universidade para realizar uma análise entre elas. Escolhidas as outras duas entrevistas, dado que uma era a nossa, procedemos à instalação de um software de análise qualitativa chamado NVIVO para procedermos à sua comparação. Este exercício, dado a comparação que foi possível realizar, tinha também como objetivo procurar uma resposta à questão de partida criada inicialmente. Por fim, foi novamente elaborado um relatório final que serviu de base para o que seria realmente o desfecho da unidade curricular, a elaboração de uma apresentação em vídeo que resumisse tudo o que se tinha sido feito ao longo do semestre com uma apresentação aberta ao público que se realizou no dia 12-06-2019.
    Posso dizer, na minha opinião, que foi uma unidade curricular muito enriquecedora apesar de trabalhosa. Ficou claro, para mim, ao longo da realização desta investigação, que a investigação qualitativa é um processo moroso e complexo que necessita de um planeamento minucioso, uma recolha de informação consistente e uma interpretação de dados meticulosa para que se possa alcançar uma conclusão sólida e bem fundamentada. As aprendizagens adquiridas serão certamente, num futuro próximo, uma mais-valia a nível académico e quem sabe profissional. Foi um exercício que me fez sair da zona de conforto e do que é propriamente dito “normal” enquanto unidade lecionada, por nos colocar diretamente em trabalho de campo, em contacto com outras pessoas que não as conhecidas. Foi uma investigação que, na minha visão, me conseguiu mostrar algo prático que este curso nos oferece pois, como é um curso maioritariamente teórico, nem sempre conseguimos assimilar o que será que podemos fazer, em termos práticos, quando acabarmos a licenciatura. Esta investigação conseguiu também mostrar-nos e introduzir-nos no ceio do que é ser um investigador qualitativo, mostrando as metodologias de observação e aplicando os princípios básicos da apresentação de resultados, organização e realização de relatórios científicos.

  24. Entrevista: Reflexão crítica acerca da recolha de dados e análise e interpretação de dados

    Numa primeira análise, realizar uma entrevista pode parecer um processo menos trabalhoso, fruto de uma aplicação do guião de entrevista. Porém, à medida que vamos estudando, apercebemo-nos que esta atividade acarreta diversos cuidados e algumas dificuldades. É um processo que exige uma preparação prévia exigente, e, no momento da entrevista, é necessária concentração e seriedade. Logo, entrevistar alguém, acaba por ser um verdadeiro desafio.
    O primeiro passo é a construção do guião, que por si só já não é uma tarefa simples. Em seguida, devemos interiorizar o guião de modo a não estarmos totalmente dependentes deste no momento da entrevista. Como esta entrevista era semi-diretiva, pudemos adaptar o guião de acordo com as respostas que a entrevistada nos transmitia – possibilitando, assim, a exposição de mais ideias, sem que estas se desviem dos objetivos traçados, daí ser uma entrevista semi-diretiva. Neste ponto, é imperativo ter-se a máxima concentração, pois precisamos de estar muito atentos ao que a entrevistada nos está a declarar, de modo a sermos capazes de lhes colocar questões logicamente encadeadas com o que disse antes, sem haver repetições.
    Um obstáculo que nos pode surgir logo à partida é encontrar alguém disponível para participar no estudo. Nunca podemos coagir alguém a participar numa investigação, pois tal não seria correto do ponto de vista ético; a pessoa tem de participar de livre e espontânea vontade. As pessoas têm algum receio em expor-se, e, devido a ser uma entrevista gravada, ao princípio pode constranger a entrevistada. A Ana – pessoa que entrevistei -, foi-lhe dito previamente que a conversa seria gravada e não hesitou em aceitar. Quando lhe liguei a explicar como tudo se iria desenvolver – que a gravação da entrevista só ia ser disponibilizada para a professora e os meus colegas de trabalho; que ninguém ia saber quem ela era, pois podia escolher um pseudónimo de forma a garantirmos o anonimato, e que o pretendido era ela ser o mais sincera possível e dizer o que ela realmente pesava sobre o bem-estar -, ficou mais descansada. Como não nos conhecíamos, foi combinado que Ana levaria uma camisa aos quadrados e o cabelo apanhado, e eu levaria um casaco amarelo. O facto de não a conhecer fez com que ficasse mais nervosa, porque também não sabia o que esperar, no sentido de não saber se ela era uma pessoa mais desinibida ou mais tímida.
    No dia da entrevista, é essencial não chegarmos atrasados à hora combinada. Quando finalmente conheci Ana, tivemos logo uma certa empatia. A estudante é uma pessoa simpática e muito comunicativa. Procurámos encontrar uma sala onde estivéssemos sossegadas e não pudesse existir a possibilidade de sermos interrompidas a meio da entrevista. Fomos falar com as funcionárias do secretariado e expliquei que precisávamos de uma sala onde ninguém entrasse pelo menos pelo período de uma hora. De seguida, entramos na sala e escolhemos um lugar para nos sentarmos. Tentei encontrar um tema de conversa para tornar o ambiente mais calmo e depois então comecei por apresentar a entrevista e dizer quais os seus objetivos. Esta apresentação da entrevista engloba: contextualizar em que âmbito a entrevista se desenrola, agradecer a disponibilidade para colaborar no trabalho, explicar que lhe vamos colocar um conjunto de questões e não há respostas certas nem erradas, que pode voltar atrás sempre que achar pertinente, não responder a algumas questões e até pode desistir desta. Acrescentei que a entrevista servia apenas e exclusivamente para a realização de um trabalho académico e que queria que se sentisse o mais à vontade possível ao longo da entrevista. Por fim, como não podia deixar de ser, pedi autorização para gravar a entrevista, dizendo que ia utilizar o telemóvel e que utilizávamos este procedimento pois de outra forma seria impossível registar tudo o que viesse a dizer e também nos facilitaria bastante o tratamento e a análise de dados que iriamos realizar numa fase posterior ao trabalho. Antes de darmos início à entrevista coloquei o meu telemóvel em modo de voo, a fim de garantir que não recebia notificações ou chamadas. Esta parte inicial ajudou-me a ficar mais calma e relaxada. Liguei o gravador e passámos de imediato para a realização da entrevista. Logo nas primeiras perguntas percebi que falar para ela não era um problema; eu colocava as questões e ela falava imenso, sem qualquer tipo de problema em me contar parte da sua vida com alguns episódios engraçados. Como o tempo se foi estendendo, o meu maior receio era que o gravador parasse a qualquer momento ou ficasse sem memória no telemóvel. Por isso, no decorrer da entrevista, fui sempre prestando atenção ao gravador. Também tinha algum receio de não me conseguir explicar bem em alguma parte da entrevista e que ela não percebesse de todo o que eu lhe estava a perguntar. Felizmente, a entrevista correu bastante bem, tendo resultado em quase duas horas de gravação. Tentei sempre ao máximo adotar uma postura que a deixasse confortável ao longo da entrevista e deixei-a falar livremente. Foi um momento muito interessante, porque Ana teve uma infância muito particular e toda uma história peculiar. Para além disso, ela é muito divertida e espontânea, e, por ser assim, tivemos muitos momentos em que nos rimos ambas, com os episódios que ela contava. No final, perguntei-lhe se queria abordar mais alguma questão e voltei a agradecer pela sua disponibilidade. Lembrei-me nesse momento que faltava o pseudónimo e dei-lhe a escolher um nome. Despedimo-nos e eu fiquei a fazer um esboço do croqui da entrevista. Mais tarde outro colega (A. Coimbra) fez o croqui final.
    No momento nem me preocupei com a duração da entrevista nem com a transcrição, porque tinha corrido bem e julgava estar interessante. Apesar de saber que 2 horas de entrevista é muito tempo, convenci-me que era normal, e que os outros grupos também haveriam de ter entrevistas com tempos próximos da nossa. Quando chegámos à aula e me apercebi que as outras entrevistas rondavam a meia hora e outras os vinte minutos, fiquei impressionada, pois não contava com isso. A partir daqui a preocupação foi a transcrição da entrevista, apesar de já saber que ia dar muito trabalho, não pensei que fosse assim tanto. Dividimos a entrevista em três partes e tentamos ser o mais fiel possível à realidade. Fazer uma transcrição é um processo extremamente complexo, pois temos de registar todos os pormenores que a pessoa profere e ter em conta outras tantas regras, como por exemplo apontar cada pausa significativa, bem como possíveis alterações no tom de voz. Foi um processo demoroso e cansativo até, porque havia algumas partes, em que não se percebia bem o que Ana dizia. Então estes segmentos de entrevista obrigavam-nos a voltar inúmeras vezes atrás para tentar perceber o que a entrevistada dizia na realidade.
    Realizar um trabalho de investigação desde a preparação e desenho dos objetivos, até ao resultado final, não é um procedimento trivial, pois requer ultrapassar muitos obstáculos e ter inúmeros cuidados, para além de uma investigação levar muito tempo e ser difícil conciliar com as restantes tarefas que temos. Todas as etapas do trabalho que fomos desenvolvendo ao longo do semestre preparam-nos para trabalhos futuros, pois adquirimos novas bases e ferramentas de trabalho.

  25. No âmbito da Unidade Curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, e no decorrer da experiência de investigação realizada, foi nos proposto pela professora uma elaboração de um diário de campo, no âmbito de reflectirmos sobre a experiência e o que, significou para nós. Esta observação insere-se no estudo “Saúde e Bem-estar nos Estudantes Universitários-Olhares a partir de dentro”.
    O método de investigação que utilizámos neste estudo foi a observação.
    A observação é um procedimento de recolha de dados, utiliza os órgãos sensoriais e que permitem descrever a realidade do contexto em questão. Apresenta factores positivos e negativos, como o facto de recolher informação em profundidade, contactar de uma forma mais directa com o observado e compreender um pouco melhor o qual o significado que aquela actividade tem no bem estar do sujeito e como o auxilia na resolução dos problemas e na sua própria vida. Os factores negativos é que é um processo moroso, que implica que tenhamos que ter autorizações para aceder a determinado local e a preocupação com a questão da protecção de dados.
    Na observação temos a possibilidade de utilizar diversos materiais, nomeadamente, fotografia, vídeo, notas, e áudio como forma de termos o registo do estudo e para depois poder inserir no relatório final.
    Relativamente á experiência da observação, para mim, penso que foi bastante positivo porém, ao princípio na fase da selecção do observado, foi um pouco complicado pois não estávamos a conseguir ninguém. No entanto, acabámos por encontrar e a pessoa em questão dignou-se logo a participar no estudo. Neste caso, a observação inseriu-se na prática de um instrumento musical, no caso o Saxofone. Foi bastante interessante, não só conhecer o próprio instrumento como termos presenciado a actuação de uma peça, por parte do observado como forma de demonstração. O observado foi uma pessoa bastante acessível, colocou-nos á vontade, e sempre pronto para ajudar no que fosse necessário, pois durante a observação acabou por adicionar mais dados do que o que nós estávamos á espera, nomeadamente, por exemplo, contar um pouco da história do instrumento, como surgiu, a posição correta para tocar o saxofone seja de pé ou sentado, todas as componentes que compõe o instrumento como a correia que é um espécie de fita que tem como finalidade dar mais apoio ao corpo e sustentar o peso do instrumento que existem vários tipos para dar diferentes apoios seja somente ao nível do pescoço seja em toda a parte lombar por forma a dar um apoio mais completo, toda a parte técnica como as teclas que produzem as notas, o bocal, as palhetas que servem para produzir o som e a mala onde comporta o instrumento. Também o facto de se ter disponibilizado para nos realizar uma visita guiada ao Conservatório de Évora no sentido de estarmos mais em contacto com o local onde pratica as suas peças musicais e onde se prepara realmente para as suas actuações. No entanto, esta visita ficou sem sucesso, devido a questões profissionais por parte do observado. E ainda dizer que possui diferentes vestuários para cada actuação seja ela num concerto ou numa banda filarmónica.
    Refere que quando pratica o instrumento que usa vestuário descontraído por forma a tornar-se mais confortável.
    Penso que, este trabalho dá-nos também a perspectiva de que a música também é uma forma de arte que permite que nos expressemos melhor e nos ajude a ultrapassar os problemas. Pois, como o observado refere “A música é quase como uma linguagem”. Refere também que é necessário muita disciplina para conciliar os estudos e a prática do instrumento. O observado descreve que a cada actuação sente que se torna viciante, que lhe transmite o sentimento de dever cumprido e que “É como se o tempo parasse, porque como já temos prática não temos de estar sempre a olhar para a partitura” palavras proferidas pelo observado.
    No final, realizámos um Relatório como forma de reflexão acerca da observação e utilizámos como complemento o software N-Vivo, para inserir todos os dados e analisá-los de forma a que tivéssemos tudo organizado e nos ajudasse na elaboração do mesmo. O N-vivo tem várias funcionalidades entre as quais, contagem de palavras, construção de nuvens de palavras e mapas conceptuais. Permite a junção de vários materiais como fotos, vídeos, áudios e textos por forma a facilitar o processo de estarmos a recorrer a ficheiros separados.
    Em suma, penso que a observação decorreu nos parâmetros necessários, estabelecemos todos os objectivos que pretendíamos para esta observação e o feedback por parte do observado foi bastante positivo, pois prontificou-se a ajudar-nos no que fosse necessário.
    Esta experiência, foi bastante positiva e penso que adquirimos uma perspectiva mais abrangente e real do que significa o bem estar para os jovens.
    Este método de investigação permite que contactemos de uma forma mais directa com o observado e que olhemos de uma forma mais real para o contexto em que estamos inseridos. É um procedimento em que temos de tomar uma postura profissional, termos especial atenção á questão da anonimização pois, é um ponto fundamental para não expor a imagem e o nome do indivíduo.
    Devemos também ter especial atenção de que quando realizamos a observação devemos ter em conta que temos de manter o observado á vontade para poder realizar a sua prática. Por fim, referir que conseguimos compreender o que é necessário para tocar saxofone e que é preciso muito trabalho e disciplina para poder conciliar tudo.
    Este método de investigação permite que adquiramos mais experiência em estudos qualitativos e bases para os praticarmos num futuro próximo. Aprendemos a trabalhar com o software N-vivo, que não conhecíamos que nos permitiu de uma forma mais simplificada auxiliar-nos no processo. Por fim, apreciei bastante a experiência e penso que foi bastante positivo para todos nós.

    Évora, 13 de Junho de 2019

  26. Na unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, do curso de Sociologia, no ano letivo 2018/2019, tive a oportunidade de experienciar uma investigação qualitativa, utilizando uma componente teórico-prática, na qual exercemos trabalho de campo e fizemos uma análise desse trabalho. Dito isto, começámos por escolher o tema principal que nos iria acompanhar durante a investigação, sobre o qual acordámos em conjunto na turma que seria o “Bem-estar” e teríamos de responder a uma pergunta de partida “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”. Posto isto, elaborámos um guião de entrevista juntamente com a docente, uma vez que teriam de ser bem traçados os objetivos desta entrevista com a vista a recorrer o máximo de informação possível e a forma como obtemos essa informação. Posto isto, efetuámos então a entrevista, que no meu grupo de trabalho fui eu que entrevistei, pois eu era a pessoa que conhecia menos a entrevistada. No início da entrevista, tanto eu como a entrevistada estávamos um pouco nervosas, uma vez que não nos conhecíamos muito bem e foi também a primeira vez que entrevistei alguém. Inicialmente estava muito “agarrada” ao guião de entrevista, pois estava pouco à vontade, mas com o decorrer da mesma fui-me “soltando” e as coisas decorreram com mais naturalidade, o que para mim foi a parte mais difícil do trabalho, pois eu nunca tinha feito uma entrevista e queria muito que corresse bem. Tentei ao máximo que fosse a entrevistada a “brilhar”, de acordo com as indicações da docente, deixando assim a entrevistada falar à sua vontade, de modo a obtermos o máximo de informação pertinente. A entrevista durou cerca de 30 minutos e foi gravada através do telemóvel, o que foi bastante bom, uma vez que tínhamos informação muito rica para a elaboração do primeiro exercício. Posteriormente efetuámos uma transcrição verbatim da entrevista, o que foi um processo demoroso, complexo e exigente, pois é necessário estar com muita atenção, pois temos de ouvir a mesma coisa várias vezes quando não se percebe; os sotaques também podem dificultar; a interpretação dos sentidos das frases também é muito importante, uma vez que a pessoa com uma determinada afirmação, dependendo da entoação que utiliza, não se pode alterar o seu sentido. A transcrição é muito importante para, posteriormente, elaborar um trabalho de forma correta. De seguida, elaborámos um relatório, que foi o primeiro exercício, na qual senti alguma dificuldade, pois relatar todo o processo e interpretar toda a informação obtida previamente é exigente e requer trabalho.
    Numa segunda fase realizámos uma observação direta. Recorremos à mesma pessoa, pois esta teve disponibilidade. Durante esta fase observámos a pessoa que entrevistámos a realizar uma atividade promotora de bem-estar, que neste caso foi uma atividade promotora de bem-estar psicológico/emocional/mental, na qual a entrevistada passeia no Jardim Público da cidade de Évora e lê num espaço onde “passa pouca gente”. Para a obtenção de informação recorremos assim a máquinas de fotografar, filmar e telemóvel, e também tomámos notas escritas num caderno. Na minha opinião, esta foi a fase do trabalho que gostei mais de realizar, pois foi uma parte mais prática, ou seja, não nos limitámos e escrever no papel ou no computador fechados numa sala, mas exercemos trabalho de campo, onde tivemos contacto com a pessoa em questão e o meio envolvente. Posteriormente realizámos um segundo relatório, no qual fizemos uma análise e interpretação da informação obtida através dos vários meios e aparelhos eletrónicos.
    Numa terceira fase da investigação, tivemos de selecionar duas entrevistas de outros grupos de trabalho para analisar. Para tal, recorremos a um software de análise qualitativa de conteúdo, o NVivo12, no qual inseríamos os dados e este facilitava a análise e o trabalho de investigação, pois é possível a análise de vários tipos de dados não estruturados, como é o caso das entrevistas. O uso de um novo programa suscitou dúvidas devido ao receio que tínhamos de não sabermos como funcionava, no entanto, permitiu-nos melhorar as aprendizagens apreendidas e praticadas e facilitou a comparação de dados, pois os dados são analisados sistematicamente e em grande número. Relativamente às entrevistas propriamente ditas, termos a responsabilidade de estarmos a utilizar a informação de outras pessoas cedida por outros dois grupos de trabalho obrigou-nos a ter muito cuidado, uma vez que se tratava de informação que não foi obtida pelo nosso grupo de trabalho.
    É importante referir que durante todo o processo de investigação tivemos sempre presente o Código Deontológico da Associação Portuguesa de Sociologia, pois enquanto estudantes e futuros sociólogos temos de ter em conta o nosso papel social. No caso da entrevista, o papel social que naquele momento estávamos a representar era o de entrevistadores e por isso tivemos de saber diferenciar, ou seja, deixar de lado o “conhecido”; mantivemos a entrevistada sempre informada ao logo da investigação. Relativamente às outras duas entrevistas que analisámos, tivemos de ser sigilosos na informação que nos foi fornecida, mantendo sempre a anonimidade dos entrevistados e respeitámos a sua privacidade.

    Na minha ótica, este exercício foi muito enriquecedor, uma vez que foi um trabalho de teor mais prático, embora sempre acompanhado de alguma teoria, no qual exercemos trabalho de campo. Tive oportunidade de realizar uma entrevista semi-diretiva, algo que nunca tinha feito e que considero que me vai ajudar no futuro, uma vez que obtive várias dicas de como o fazer. Considero que foi um trabalho desafiante, pois “obrigou-me” a sair da minha zona de conforto e ater contacto uma pessoa desconhecida, o que será útil enquanto socióloga no futuro. Com esta experiência considero que no futuro sejam úteis todos os fundamentos teórico-epistemológicos que se baseiam na recolha, tratamento, análise e interpretação qualitativa de dados adquiridos nesta unidade curricular com o intuito de compreender a realidade social. Comparando a análise quantitativa e a análise qualitativa de dados, ambas são importantes e contribuem para a compreensão da diversidade de informação, no entanto, a primeira é conclusiva, ou seja, quantifica um problema e entende a dimensão do mesmo, fornecendo informações numéricas; a segunda é mais difícil de definir, uma vez que compreende opiniões e emoções dos indivíduos e interpreta o comportamento destes.

  27. A observação em Laboratório de Analise Qualitativa

    A entrada neste blog faz parte da unidade curricular de Laboratório de Analise Qualitativa do curso de Sociologia da Universidade de Évora no ano letivo 2018/2019. Na disciplina de Laboratório de Analise Qualitativa é possível adquirir bastante conhecimento a nível teórico, contudo também nos é dada a oportunidade a realização de exercícios de natureza pratica, assim é nos permitido viver realmente aquilo que nos foi transmitido e podermos por em prática os conhecimentos que nos foram dados. Tenho que dizer que é uma unidade curricular que ao inicio assusta um pouco quando vemos tudo aquilo que temos que fazer, porem, com o tempo e a habituação tudo começou a ficar mais explicito, na minha opinião a forma como a disciplina esta organizada e a forma como todas as entregas estão planeadas por parte da docente também é fundamental e ao fim ao cabo uma grande ajuda para nos. É importante também referir que por vezes queremos é a parte pratica e achamos que a teórica é um pouco menos importante, contudo nesta unidade curricular toda a informação teórica que nos é fornecida é fundamental para a realização de um bom exercício de natureza pratica. A nível dos exercícios realizados, todos são fundamentais (embora que uns sejam mais fáceis e mais leves de fazer) são de facto um fio condutor que no final por mais trabalho que dê nos leva a um resultado que no início parecia impossível de se fazer.

    Experiências:
    Como falei acima, a participação nesta unidade curricular é vista no final como uma boa experiência. E para alem de uma boa experiência é fugir um pouco da norma a que estamos habituados devido a ser uma cadeira de natureza também pratica e de aqui podermos realmente por em prática o que foi lecionado. A experiência que foi vivida em todas as fases, exercícios, foi cada uma diferente, mas todas bastante enriquecedoras e interessantes, pois a cada exercício que enfrentávamos eramos ao fim ao cabo desafiados, e tínhamos aquele desafio para cumprir ate uma certa data. Alem de ser uma disciplina que nos enriquece bastante a nível pessoal acaba por nos desafiar a outros níveis a que não estamos habituados. Aqui é a meu ver importante falar também das questões éticas que tivemos de cumprir e o quanto as mesmas são importantes. É muito importante que seja salvaguardado todos os direitos de quem esta a ser entrevistado, pois a privacidade, o anonimato assim como a confidencialidade das informações recolhidas. Pois é uma obrigação por parte dos sociólogo zelar pela proteção de informações dos entrevistados, assim como é um direito que devemos a quem se disponibilizou para nos ajudar no estudo em causa.

    Percepções
    A meu ver nesta disciplina seguimos e realizamos os exercícios na base de uma organização e um fio condutor impressionante. E a bagagem com que saímos desta disciplina é claramente mais rica e com uma panóplia de ferramentas e técnicas fundamentais para o nosso futuro. Nem sempre tudo é fácil ( e se fosse não seria o mesmo) mas a nível pessoal como alunos de Sociologia é bastante desafiante termos a oportunidade de viver todas estas experiencias, nem sempre é fácil, é difícil por vezes fazer-nos ouvir perante os outros, ou ate mesmo perceber o significado do que os outros nos estão a transmitir, mas é isso que move toda esta envolvência, o querermos ser ouvidos e ouvir os outros e no fim juntar tudo através de técnicas fantásticas que nos facilitam imenso o nosso trabalho e fazem com que um estudo com muito significado apareça feito. Não podemos ver apenas o que esta em frente aos nossos olhos temos também que ver o que estar por detrás de tudo isso, e o que podemos retirar dali.

    Técnicas
    É importante começar por referir que a meu ver todas as técnicas são fundamentais e cada uma tem a sua importância seja qual for a sua função. Por exemplo podemos falar das que existem a nível de transcrições e como estas nos facilitam tanto a vida, apesar de ser um exercício bastante moroso e por vezes um pouco difícil. São muitas as técnicas que nos dias de hoje nos facilitam imenso a vida como o programa NVivo, que é um software que ajuda na organização e a analise de forma mais fácil de toda a informação recolhida e que tem todo um conjunto de ferramentas impressionantes que nos ajudam imenso nas mais diversas atividades. No fundo aprender todas estas técnicas também nos mostra e nos faz sentir um pouco maiores, e perceber secalhar mais um pouco o que poderemos vir a fazer num futuro próximo, quais as nossas funções e responsabilidades.

    Évora, 13/06/19

  28. DIÁRIO DE CAMPO

    As minhas experiências e perceções durante o semestre na unidade curricular Laboratório de Análise Qualitativa.

    Vou falar brevemente sobre o meu percurso académico no Curso de Sociologia, mais especificamente sobre a UC Laboratório de Análise Qualitativa, percurso esse que tem sido acompanhado de altos e baixos, mas em que tenho vindo a aprender não só a teoria que é dada na Universidade como também tenho aprendido a crescer, a nível pessoal, e tenho a certeza, que me ajudará a crescer a nível profissional. Neste percurso estou a ganhar conhecimento e a ter uma perceção diferente da que tinha antes sobre os vários temas que constantemente fazem parte da nossa sociedade.
    Com a unidade curricular Laboratório de Análise Qualitativa aprendi imenso. Ao início, posso confessar, que me foi confuso compreender em que consistia a matéria dada, mas com o tempo e com as aulas, adquiri bastante conhecimento e aprendi bastante, nomeadamente, no que diz respeito a observações, investigação qualitativa, técnicas, procedimentos e recolhas de dados, leituras, estudos de casos, análise e interpretação de material empírico, entre outra informação que acabou por me esclarecer todas as dúvidas que tinha, informação que é bastante relevante para todo o curso.
    Todas as experiências e as perceções que fui adquirindo ao longo do semestre, mais especificamente nesta unidade curricular, fui recolhendo num pequeno diário. Este diário foi realizado com o intuito de responder à questão de partida dada nas aulas, “quais as representações sociais, perceções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?

    Experiências

    O primeiro a ser realizado foi o exercício 1. Este consistia numa entrevista semi – diretiva, sobre a saúde e o bem-estar dos estudantes universitários, para o que o meu grupo de trabalho realizou uma entrevista presencial, tendo selecionado para a mesma, de acordo com os critérios de inclusão na amostra, uma estudante que frequenta o 3º ano de enfermagem.
    Achei a técnica de entrevista bastante interessante para o trabalho de investigador, por tratar-se de uma interação direta que permite a observação do entrevistado e que poupa tempo e recursos. Para além disso, gostei do tema proposto e achei que o entrevistado foi uma boa escolha, por ser alguém informado, cujas respostas foram claras e de encontro ao que lhe foi solicitado, tendo a entrevista decorrido num ambiente de cordialidade, em casa de um dos entrevistadores.

    A 25/03/2019 submetemos o áudio da primeira entrevista feita a esta estudante de enfermagem, em que ela nos deu as suas perspetivas e visões sobre o seu bem-estar físico, psicológico e social.
    A 9/04/2019 submetemos então a transcrição desta mesma entrevista. Transcrição verbatim com recurso a software Express Scribe T.
    Por conseguinte, realizámos o relatório desta entrevista, onde especificamos tudo o que foi mencionado nela, os objetivos gerais, específicos, as tarefas que cada uma realizou, a contextualização, justificação e pertinência do tema, a metodologia que foi seguida, bem como os procedimentos de análise de dados e interpretação de resultados. Este relatório foi finalizado e submetido a 21/04/2019.
    A 5/05/2019, submetemos os materiais de observação acerca do exercício 2. Este consistia num guião de observação, devidamente preenchido com fotografias e vídeos recolhidos durante a observação.
    Durante a realização do exercício 2, acabei por refletir: “É incrível como quer os estudantes universitários como todos os jovens, aderem tanto a todo o tipo de desporto. Hoje em dia é cada vez mais comum os jovens preocuparem-se com o seu bem-estar físico, psicológico e social e trabalham para a obtenção desse mesmo bem-estar, apesar de tantas vezes ser bastante difícil conciliar essas atividades com o trabalho exigido pela vida académica e/ou profissional.”
    A 16/05/2019 finalizámos e submetemos o respetivo relatório do exercício 2, de acordo com as orientações que nos foram dadas, mencionando os objetivos gerais, específicos, metodologia e procedimentos de análise de dados e interpretação dos resultados. Após a finalização também fiz uma pequena reflexão acerca deste exercício: “Como é que um trabalho que à primeira vista parece ser tão simples acaba por ser tao complexo, mas tão enriquecedor ao mesmo tempo. Mesmo com toda esta dificuldade, isto acaba por nos ajudar a nível pessoal e a nível académico porque adquirimos conhecimento não só das várias formas de estar no dia-a-dia como adquirimos técnicas bastante importantes para a realização dos trabalhos.”

    Perceções

    O papel do professor é de primordial importância na orientação para a obtenção de conhecimento. Mas nós, estudantes, temos de colocar a nossa parte, temos que “aprender a aprender”, desenvolvendo as orientações dadas pelo docente, através de muito estudo e bastante pesquisa sobre os temas abordados em sala de aula. Por outro lado, considero ainda de grande importância, a troca de ideias e os debates com colegas, o que, de resto, sempre pode aportar novas perspetivas sobre determinados temas.
    Durante todo este processo, ao longo do semestre, aprendi também que em investigação há que ser curioso, estar motivado, saber por onde começar, o que fazer, selecionar e reter informação, evitando perder tempo com informação inútil, definir os objetivos e os prazos a cumprir, há que fazer uma boa gestão do tempo e dos recursos disponíveis e para além de tudo isso, devemos manter uma atitude humilde, combatendo o individualismo, conscientes que o trabalho de investigação requer a colaboração de outros, colegas, professores e comunidade científica.

    Aprendi também que a investigação qualitativa é um processo complexo, que vai desde o planeamento da investigação até a elaboração do relatório da pesquisa efetuada, passando pela recolha preliminar de informação, pela pesquisa documental, pelas técnicas de observação e de amostragem, pelos inquéritos por entrevista e/ou por questionário, pela análise da fiabilidade e validade dos dados, pela análise de conteúdo dos dados e pela interpretação dos resultados, sendo que todos estes passos devem ser conduzidos pela ética e o rigor.
    Aprendi ainda que o trabalho prático desenvolvido durante o semestre foi bastante importante para complementar e conciliar os conhecimentos teóricos adquiridos no âmbito da investigação qualitativa, aportando-me agora uma certa autonomia no meu processo de aprendizagem no Curso de Sociologia, nomeadamente no que se refere aos procedimentos básicos que a comunidade académica geralmente utiliza para recolher, tratar, interpretar e divulgar informação científica considerada relevante.

    Évora, 08 de Junho de 2019

  29. Da teórica à Prática

    Faz parte do regulamento da unidade curricular Laboratório de Análise Qualitativa do curso de Sociologia da Universidade de Évora, que os estudantes deste ano 2018/2019 tenham que fazer entrada neste blog sobre um ou mais temas lecionados na aula. Os temas abordados nesta unidade curricular foram todos necessários e importantes para a realização da investigação que decorreu ao longo do semestre. Não quero induzir ou passar a ideia de que uns temas foram melhores do que outros porque na minha opinião sinto que todos foram necessários para a nossa aprendizagem individual e coletiva e que com isso conseguimos a realização de uma investigação que nos abriu horizontes de como funciona uma investigação qualitativa e análise qualitativa. No exercício de investigação houve assuntos que gostei mais de elaborar, ou porque para mim era mais interessante ou porque me sentia confiante a realizá-los. Apercebi-me e ponderei sobre a importância que a teórica debatida nas aulas é relevante e marcante para depois realizar no trabalho de campo.
    Para mim o Código Deontológico foi um tema que me marcou muito, primeiro porque não conhecia a sua existência e através desta unidade curricular pude saber “trabalhar” com ele e segundo porque foi uma ferramenta essencial neste trabalho (em todos os exercícios #1, #2,#3). Com ele consegui colocar à prova as minhas habilidades práticas pelo facto de ter de explicar ao entrevistado (na entrevista e na observação) o que era o código deontológico, aquilo que ele “exige” e como nós futuros sociólogos se regemos por ele. Foi um trabalho prático pois não ficamos pela teórica de saber o que ele diz, tivemos de o perceber para o podermos seguir e explicar aos “outros”. Recordo-me do ar de espantado que o entrevistado fez quando lhe dissemos que íamos explicar o código deontológico dos sociólogos. Acabamos por lhe explicar que o código deontológico é parecido com uma lei de moralidade com que os sociólogos se guiam. O objetivo principal dele acaba por ser explicar os principais tipos de responsabilidade aos quais os sociólogos seguem quando falam com clientes, entrevistados, alunos, colegas, grupos, instituições, e entre muitos outros. Em termos gerias a responsabilidade para com a sociologia e a sociedade. A prática da sociologia acaba por ter muitos princípios gerais de ética científica que os sociólogos devem exercer na sua profissão com os mais elevados padrões possíveis de competência profissional. O sociólogo tem que ter obrigatoriamente a maior isenção possível isto para não influenciar quais queres respostas que possam arruinar os dados, tentamos ser o mais parciais possíveis pois os dados tem de ser fidedignos e não enviesados. Onde fizemos mais ênfase em todo o código deontológico, para além do mesmo, foi no ponto 9 onde o mesmo diz: “que os sociólogos têm a estrita obrigação de selar pela proteção da informação, pois os mesmos estão sujeitos a confidencialidade ou animato.” Referimos todos os pontos que consideramos importantes pois queríamos que o entrevistado tivesse tão informado quanto nós.
    O que esperava há muito tempo no curso de Sociologia era a possibilidade de passar da teórica pra a prática, fazer trabalho de campo. Foi muito interessante todo o procedimento: o da seleção da pessoa para a entrevista, o trabalho de campo da observação direta, o código deontológico, a análise de conteúdo (da entrevista, da observação direta e de intra-casos). Na observação direta foi interessante a oportunidade de trabalhar com máquinas de filmar e fotográficas.

    A transcrição Verbatim da entrevista foi outra situação que me marcou porque foi muito trabalhosa e árdua isto por todos os requisitos que eram necessários, ou seja, tínhamos de estar bastantes atentos a todas as palavras, sons, repetições, pausas, entre outros que o entrevistado dizia. Qualquer mínimo erro poderia mudar o significado completo da frase. Entre o meu grupo de trabalho, reparei que tinha uma forma muito diferente de ouvir a entrevista, pois eu colocava a entrevista à velocidade a 20% porque assim o entrevistado falava muito pausadamente e eu conseguia acompanhar porém tinha um problema que era o facto de uma pausa pequena muitas vezes me parecer uma pausa muito longo ou demorada.
    Mas graças a tudo isto pude crescer enquanto estudante e futuro sociólogo, pude sair da casa protegida que é a teórica onde tudo funciona sem problemas, e ir para a prática onde as coisas são muito diferentes. Não estou a querer dizer que a teórica não interessa e que não é importante. Porque sem a teórica nada disto era possível, mas acho muito envolvente passar da teórica para a prática.
    O NVivo foi outra ferramenta que adquirimos, foi muito interessante e facilitador para a análise qualitativa para intra-casos, com os seus diversos atalhos e formas de analisar. O que mais me surpreendeu no Software foi o facto de podermos introduzir muito mais do que palavras, como por exemplo, inserir imagens que retiramos da observação direta. Outra característica do programa que eu achei muito engraçada e pertinente foi a da procura de palavras mais ditas, dá uma certa perspetiva de como é a entrevista e podemos inclusivo extrair informação só com uma imagem das palavras mais ditas. O NVivo é muito interessante e importante porque dá a possibilidade de compararmos mais do que uma entrevista.
    Para concluir esta reflexão sobre o diário de campo posso dizer com toda a convicção que foi um desafio muito interessante, o de passar da teórica para a prática, pois foi a primeira vez que saímos fora do conforto da universidade. Tivemos de ir muito bem preparados para as partes práticas com o entrevistado (entrevista e observação direta). Foi muito recompensador explicar o código deontológico ao entrevistado. Consegui entender melhor as nossas responsabilidades enquanto futuros sociólogos e principalmente os nossos deveres para com aqueles que confiam na nossa capacidade.
    Algo que considero muito importante foi também os resultados obtidos na investigação, ou seja, as diferentes perspetivas que existem em torno do bem-estar. Ver e perceber o que os estudantes universitários entendem por bem-estar, as suas fontes e perceções sobre o mesmo. No final, foi uma experiência muito recompensadora, dinâmica, marcante, indispensável e muito interessante.

  30. O percurso na unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa

    A unidade curricular de Laboratório de Análise Qualitativa, do Curso de Sociologia, na edição de 2018/2019 mostrou-me como desenvolver uma investigação qualitativa, usando a componente teoria e prática, o que me permitiu ter uma experiência no terreno e tudo o que envolve um “pós” terreno.
    Esta investigação começou com a escolha de um tema “Bem-Estar” e posteriormente com a pergunta de partida “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”. Com isto partimos para a elaboração de um guião para a entrevista que foi um trabalho complexo, trabalhoso e cuidadoso pois temos de ter a noção daquilo que pretendemos com a entrevista e a forma como vamos obter essa informação. Após a entrevista, passamos para a transcrição da mesma, uma transcrição verbatim (a entrevista foi gravada). Para mim, na minha opinião pessoal, foi a parte mais exigente no sentido em que parece simples, ou seja, transcrever o que o entrevistado disso mas no final não é assim tão “simples” pois é preciso tempo, atenção, lógica, e um bom ouvido pois é necessário percebemos as intuições, as pausas, os sentidos, os sotaques, as interjeições, os ideofones, entre outros. Existem formas e dicas para que este trabalho decorra corretamente, mas não deixa de ser um trabalho árduo. Agora que passei por ele consigo dar valor e entender o quão importante é uma transcrição bem feita pois ao existirem erros pode ser sinónimo de quem vá ler a entrevista fique com uma ideia errada daquilo que o entrevistado disse e culpa da transcrição. Uma transcrição bem realizada é fulcral para uma boa análise e interpretação dos dados obtidos. A análise da entrevista, ou seja, a análise do conteúdo também requer trabalho pois é necessário perceber aquilo que foi dito e esmiuçar o que está oculto na mensagem que é transmitida através da entrevista.
    Numa segunda parte realizamos uma observação direta, observamos uma atividade associada ao bem-estar de um estudante universitário e nesta observação temos de “ver” além daquilo que é visível, ou seja, perceber não só a atividade promotora de bem-estar, assim como os objetivos específicos (elaborando um plano de observação, onde através do mesmo são cumpridos os objetivos). O facto de ter de haver uma observação que fosse transmitida para papel e para apresentação de resultados fez com que tivemos de trabalhar na parte de filmagens e fotografias, recorrendo assim a vários aparelhos eletrónicos para a observação (máquinas fotográficas, de filmagem e telemóvel). Após essa observação direta é necessário fazer uma análise e interpretação dos resultados, sejam eles, fotos, vídeos, gravações, notas.
    Num último plano da investigação são comparadas varias entrevistas para que daí se consiga obter a responda cientificamente fundamentada à pergunta de partida “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”, para isso, utiliza-se um software de análise qualitativa de conteúdo (NVIVO12) que acaba por facilitar o trabalho de investigação, isto porque, consegue analisar todo o tipo de dados não estruturas, ou seja, as entrevistas (embora dê para mais coisas, tais como: artigos científicos, perguntas de questionários, dados do twitter, entre outros). Este software acaba por facultar um conjunto de ferramentas muito importantes para o nosso trabalho encanto estudantes/investigadores, com ele conseguimos chegar a melhores resultados nas operações de dados qualitativos. No final da investigação, os resultados obtidos mostram as respostas para a pergunta de partida: “Saúde e bem-estar entre os estudantes universitários: olhares a partir de dentro”.
    Um ponto extremamente importante para esta investigação foi sempre ter seguido o código deontológico (associação portuguesa de sociologia), pois nós enquanto estudantes e futuros sociólogos temos de ter noção que estamos a lidar com pessoas, logo, estamos a desenvolver práticas sociais e isso produz efeitos sociais. Por isso temos de ter responsabilidade connosco enquanto investigadores/futuros sociólogos/ estudantes, com os outros (indivíduos ou sociedade) e com o nosso trabalho.
    Por fim, quero expressar a minha opinião sobre o quão interessante e cativante foi a realização desta investigação. Primeiro porque foi um exercício prático o que fez com que tivéssemos contacto com o “campo”, ou seja, procurar alguém para entrevistar e para observar, para isso recorremos à nossa rede de ligações para podermos corresponder ao entrevistado que era pedido. Acabou por ser um compromisso muito importante e que me fez ter uma responsabilidade acrescida pois aquele entrevistado confiou em nós para o entrevistar e para o observar sendo que todo o material retirado iria apenas ser para fins escolares e que nunca o nome dele iria ser exposto, ou seja, anonimato. Depois a realização de todo um trabalho prático além do que foi recolhido em campo foi envolvente pois a cada momento que passava era deparada com situações novas, isto é, passar de uma análise de conteúdo a nível da entrevista, para uma análise de conteúdo a nível de uma observação ou até para uma análise de conteúdo de intra-casos, são coisas diferentes mas que acabam por se complementar entre elas.
    Com esta aprendizagem acredito que futuramente seja possível voltar a fazer investigação qualitativa pois consegui aprender fundamentos teórico-epistemológicos que se baseiam na recolha, tratamento, análise e interpretação qualitativa de dados com o objetivo de compreender a realidade social. Confesso que trabalhar com dados quantitativos e qualitativos é muito diferente, são realidades diferentes, porque em dados quantitativos é aquilo que está ali, não existe muito por onde fugir porém em dados qualitativos depende muito do nosso trabalho, somos nós que temos de pensar como e porquê (embora em quantitativos também seja necessário justificações), não podemos simplesmente meter os dados em softwares e eles fazerem tudo por nós, podem ajudar mas nunca fazer tudo por nós, por exemplo na transcrição verbatim, onde eu senti a maior dificuldade e o maior desafio, até hoje não existe um programa (que eu tenha conhecimento) capaz de passar um áudio de uma entrevista para um documento escrito da mesma, por isso, hoje em dia olho de maneira diferente para transcrições de entrevistas (em revistas, jornais, entre outros), pois percebo e dou muito valor.

  31. O meu diário de campo: EXPERIÊNCIAS E PERCEPÇÕES em Laboratório de Análise Qualitativa

    Todo o meu percurso académico tem sido como trabalhador/estudante. E se muitas pessoas pensam que “não se aprende nada na Universidade, é só teoria” como já ouvi alguém comentar, na minha (curta) experiência essa não é (mesmo) a minha opinião e a minha realidade. Na Universidade não é só teoria, também há prática (e muita) e é esse conjunto que nos vai formar numa área de conhecimento. Mas nem tudo é fácil…nem deve ser…
    Confesso que aprendi muito na U. C. Laboratório de Análise Qualitativa. Aprendi a estudar e desenvolver conhecimento. Aprendi o que é estudos de casos, leituras, observações, investigação qualitativa. Aprendi técnicas, procedimentos de recolha de dados, análise e interpretação de material empírico, apresentação e disseminação de resultados de investigação qualitativa. Enfim…muita informação, muito trabalho, mas sobretudo muita aprendizagem.

    Experiências
    Ao longo do semestre criei um diário para algumas reflexões sobre o trabalho que iriamos realizar em três fases distintas e (muito) complexas para podermos responder à pergunta de partida: quais as representações sociais, percepções, fontes e práticas de bem-estar entre os estudantes universitários?
    No dia 20/3/2019, na altura a preparar o exercício#1 escrevi:
    “Ao ler o guião apercebi-me que manter a calma e saber bem as perguntas vai ser a chave para que corra bem. Dei por mim a pensar como será o resultado final, como será a minha voz (alentejana) no gravador, se se irá notar o meu nervosismo…”
    A 21/4/2019, elaborei a seguinte afirmação:
    “As férias da Páscoa foram passadas na elaboração do relatório do Exercício#1. Todos os dias dedicados um pouco ao trabalho que revelou uma complexidade maior do que esperava. Ajudou o facto de não haver aulas. A análise e interpretação do material empírico demonstrou ser um processo laborioso. Espero tê-lo executado da melhor forma.”
    No dia 4/5/2019, aquando da observação para o Exercício#2 reflecti:
    “Curioso como tanta coisa nos passa ao lado no dia-a-dia. Este exercício aguça-nos os sentidos, ficamos muito mais despertos para situações que normalmente não prestamos atenção”.
    São várias as notas no meu diário, mas deixo aqui a última entrada que fiz no dia 15/5/2019:
    “Missão cumprida. Cada vez mais considero que a titulo pessoal estes trabalhos são muito envolventes, intensivos, trabalhosos, mas permitem o aumento do conhecimento relativamente a técnicas e procedimentos que se não fosse a parte prática nunca iria alcançar. É uma abordagem sem dúvida muito rica.”

    Percepções
    Um professor é um mentor que nos ajuda a desenvolver conhecimento. Mas somos nós, estudantes, quem tem de “aprender a aprender”. E é bem verdade. O professor fornece-nos os conceitos, mas somos nós que temos de dedicar tempo, de estudar como usar o que nos é fornecido, como aplicar, em que contextos e como utilizar na prática.
    E durante todo este processo, ao longo do semestre, aprendi tanta coisa. Aprendi a ter disciplina, no sentido de aprender por onde começar, o que fazer, as metas e os prazos a cumprir. Aprendi que significados são difíceis de investigar pois muitas vezes não são directamente observáveis.
    Aprendi que nem tudo é fácil, que a análise qualitativa é muito morosa e um processo complicado. Que a análise de conteúdo, a transcrição da entrevista, e até os relatórios têm que ser cuidadosamente realizados, com ética, rigor e com cuidado (obrigatório) de não comprometer por exemplo a identidade do investigado.
    Aprendi que a parte prática desenvolvida durante o semestre enquanto investigador qualitativo deu consistência à parte teórica e permitiu-me um conhecimento muito mais aprofundado e realista da análise qualitativa.

    As técnicas
    Sem dúvida o que mais gostei de fazer e onde tenho que destacar o esforço para tornar visíveis os aspectos mais subtis que identificam os conteúdos latentes, foi a pesquisa descritiva através da observação directa. Apercebi-me que existem tantas dinâmicas e interacções que nem nos apercebemos, que acontece tanta coisa ao nosso redor e que de facto retira-se informação muito rica através desta técnica de análise.
    No entanto, há que reconhecer que, independentemente da técnica utilizada, seja ela a entrevista ou a observação, ou até o recurso a softwares para análise inter-casos, os aspectos teóricos e metodológicos para e na realização da pesquisa são extremamente relevantes e não podem, sob nenhuma hipótese, ser considerados de menor importância.

    Évora, 25 de Maio de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.